Pular para o conteúdo principal

Impostômetro do RN

Editoras admitem ao governo fraudes com livros didáticos

Do Jornal Estadão/Blog Fausto Macedo 
Em fato relevante divulgado na noite desta sexta-feira, 14, a Somos Educação comunicou aos seus acionistas e ao mercado que identificou 'práticas isoladas potencialmente ilícitas por parte de alguns poucos colaboradores no âmbito do Programa Nacional do Livro Didático, especificamente em municípios de Alagoas e Pará'.
A Somos Educação, controladora das editoras Ática e Scipione, discute com o governo federal um acordo de leniência para confessar fraudes no Programa Nacional do Livro Didático, mantido pelo Ministério da Educação (MEC). O objetivo é reduzir multas e evitar outras punições, como eventual declaração de inidoneidade, o que impediria as empresas do grupo de continuar participando de licitações e celebrando contratos com a administração pública.
O acordo de leniência – espécie de delação premiada para pessoas jurídicas – está sendo negociado com o Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União (CGU). As tratativas estão em fase inicial e envolvem ilicitudes no fornecimento de livros para municípios de Alagoas e do Pará.
O acordo vem sendo discutido ao menos desde agosto deste ano. Só ontem a Somos Educação comunicou a existência de possíveis ilicitudes à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), órgão que fiscaliza a atuação de companhias de capital aberto. A decisão foi tomada após o Estado questionar o grupo sobre o acordo de leniência.
Em fato relevante divulgado à noite, a Somos Educação comunicou aos seus acionistas e ao mercado que identificou “práticas isoladas potencialmente ilícitas por parte de alguns poucos colaboradores no âmbito do Programa Nacional do Livro Didático, especificamente em municípios dos estados de Alagoas e Pará”. O grupo informou ter afastado preventivamente os envolvidos de seu “quadro de colaboradores”.
“No seu âmbito interno, a companhia procedeu às investigações cabíveis, não tendo detectado qualquer outra desconformidade. A companhia buscou ‘proativamente’ o Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União para relatar esses fatos e colaborar com eventuais atos investigativos por parte das autoridades”, diz a nota da Somos Educação, subscrita pelo vice-presidente administrativo-financeiro e
diretor de Relações com Investidores da Somos Educação, Daniel Cordeiro Amaral.
O executivo disse ainda não antecipar que os fatos investigados “tragam quaisquer impactos financeiros adversos relevantes para a companhia”.
As editoras Ática e Scipione estão entre as principais fornecedoras de livros para escolas públicas do País. Desde o ano passado, já receberam R$ 313 milhões do Ministério da Educação, via Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).
PORTARIA Desde o ano passado, o governo discute ao menos 17 acordos de leniência com empresas suspeitas de corrupção e outras ilicitudes, entre elas as empreiteiras envolvidas na Operação Lava Jato. A maioria ainda está longe de um desfecho, devido, principalmente, a divergências entre os órgãos que têm competência legal para conduzir as negociações.
A Advocacia-Geral da União (AGU) e o Ministério da Transparência preparam uma portaria que vai estabelecer um “fluxo” para a tramitação dos acordos, com o objetivo de torná-la mais célere e eficiente. O texto, que deve ser publicado na semana que vem, prevê a participação da AGU já no início das negociações com a empresa interessada na pactuação – atualmente, o órgão atua na fase final, principalmente opinando sobre aspectos jurídicos.
O governo também busca um entendimento sobre os acordos com o Tribunal de Contas da União (TCU).

Postagens mais visitadas deste blog

ÁUDIO: Capitão Styverson detona a Polícia Civil diz que agentes e delegados são preguiçosos.

O temido capitão da Lei Seca, Styverson Valetim, que faz um excelente trabalho nas blitzes de trânsito, criticou com veemência os integrantes da Polícia Civil em um áudio que circula pelos grupos de WhatsApp. “Meu trabalho funciona, pois só depende de mim. Não sou vinculado à Polícia Militar”, disse Styverson no áudio, fazendo críticas até a corporação que faz parte. Depois detonou a Polícia Civil: “O Policial Civil ganha muito bem e um delegado ganha R$ 23 mil para não fazer nada”. “Já denunciei as delegacias que não querem trabalhar por preguiça”, diz ainda o Capitão Styverson. (HeitorGregório).

Violência no Rio Grande do Norte - 29.05.2016

Casal aborda e da garupa da motocicleta mulher mata jovem no Igapó 190rn - Um homicídio foi registrado neste sábado no bairro de Igapó, vitimando um jovem identificado como Eduardo, conhecido como “Dudu”, que foi vítima de pelo menos quatro disparos de arma de fogo. Segundo informações de populares, a vítima estava em frente a uma residência quando um casal chegou no local em uma motocicleta e a mulher, que estava na garupa, atirou contra ele.
Após ter sido ferido, ele ainda foi socorrido ao Hospital Santa Catarina, mas não resistiu aos ferimentos, morrendo na unidade hospitalar. Mototaxista é executado dentro de casa em São Paulo do Potengi 190rn - Um homicídio foi registrado na madrugada deste domingo, na cidade de São Paulo do Potengi vitimando um mototaxista identificado como Paulo Sérgio, mais conhecido na cidade como “Rosinha”. A vítima foi alvejada por disparos de arma de fogo, quando estava na sua residência e ainda foi socorrido mais não resistiu aos ferimentos, morrendo antes da c…

Mega Fazenda de Lula na Argentina

Segundo o guia dos pescadores a Mega Fazenda pertence ao ex-presidente da República Luiz Inácio LULA da Silva e seu filho Lulinha. Assistam o vídeo e vejam onde o dinheiro do Brasil, do povo brasileiro está indo parar. (jonasmelloradialista)