quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Evangelho do Dia/Santo do Dia

3 de agosto de 2016 –CNBB
1ª Leitura - Jr 31,1-7
Amei-te com amor eterno.
Leitura do Livro do Profeta Jeremias 31,1-7
1Naquele tempo,
diz o Senhor, serei Deus para todas as tribos de Israel, e elas serão meu povo.
2Isto diz o Senhor: Encontrou perdão no deserto o povo que escapara à espada; Israel encaminha-se para o seu descanso.'
3O Senhor apareceu-me de longe: 'Amei-te com amor eterno e te atraí com a misericórdia.
4De novo te edificarei, serás reedificada, ó jovem nação de Israel; de novo teus tambores ornarão as praças e sairás entre grupos de dançantes.
5Hás de plantar vinhas nos montes de Samaria; os cultivadores hão de plantar e também colher.
6Virá o dia em que gritarão os guardas no monte Efraim:
'Levantai-vos, vamos a Sião, vamos ao Senhor, nosso Deus`.
7Isto diz o Senhor: Exultai de alegria por Jacó, aclamai a primeira das nações; tocai, cantai e dizei: 'Salva, Senhor, teu povo, o resto de Israel.
Palavra do Senhor.
Salmo - Jr 31, 10. 11-12ab. 13 (R. Cf. 10d)
R. O Senhor nos guardará qual pastor a seu rebanho.
10Ouvi, nações, a palavra do Senhor *e anunciai-a nas ilhas mais distantes:'Quem dispersou Israel, vai congregá-lo, *e o guardará qual pastor a seu rebanho!'R.
11Pois, na verdade, o Senhor remiu Jacó *e o libertou do poder do prepotente.
12aVoltarão para o monte de Sião, + entre brados e cantos de alegria *
12bafluirão para as bênçãos do Senhor:R.
13Então a virgem dançará alegremente, *também o jovem e o velho exultarão;mudarei em alegria o seu luto, *serei consolo e conforto após a guerra.R.
Evangelho - Mt 15,21-28
Mulher, grande é a tua fé!
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus 15,21-28
Naquele tempo:
21Jesus foi para a região de Tiro e Sidônia.
22Eis que uma mulher cananéia, vindo daquela região, pôs-se a gritar: 'Senhor, filho de Davi, tem piedade de mim: minha filha está cruelmente atormentada por um
demônio!'
23Mas, Jesus não lhe respondeu palavra alguma. Então seus discípulos aproximaram-se e lhe pediram: 'Manda embora essa mulher, pois ela vem gritando atrás de nós.'
24Jesus respondeu: 'Eu fui enviado somente às ovelhas perdidas da casa de Israel.'
25Mas, a mulher, aproximando-se, prostrou-se diante de Jesus, e começou a implorar:
'Senhor, socorre-me!'
26Jesus lhe disse: 'Não fica bem tirar o pão dos filhos para jogá-lo aos cachorrinhos.'
27A mulher insistiu: 'É verdade, Senhor; mas os cachorrinhos também comem as migalhas que caem da mesa de seus donos!'
28Diante disso, Jesus lhe disse: 'Mulher, grande é a tua fé! Seja feito como tu queres!' E desde aquele momento sua filha ficou curada.
Palavra da Salvação.
Reflexão - Mt 15, 21-28
O Evangelho de hoje nos revela a diferença fundamental entre o judaísmo e o cristianismo, entre as idéias do povo de Israel e as idéias que devem marcar a vida da Igreja. Para o povo de Israel, ele era o único povo de Deus e não poderia haver outro e as demais nações da terra não poderiam receber os benefícios de Deus. Para a Igreja, todos os homens e mulheres do mundo, de todas as classes, línguas e nações, são objetos da ação salvífica de Deus, de modo que a graça divina é para todos e a salvação é universal. No primeiro momento do Evangelho de hoje, Jesus nos mostra que é verdadeiramente um judeu, mas no segundo, nos mostra como verdadeiramente devemos ser e agir.
SANTO DO DIA
Santa Lídia, uma das primeiras santas a ser venerada
Foi uma das primeiras santas a ser venerada dentro da fé católica
Uma antiga tradição cristã a respeito do culto aos santos demonstra que Santa Lídia foi uma das primeiras santas a ser venerada dentro da fé católica.
Lídia era uma prosélita, ou seja, uma pagã convertida ao judaísmo. Veio da Grécia asiática e instalou-se para o seu comércio em Filipos, porto do Mar Egeu.
Fez-se cristã pelo ano de 55, quando São Paulo evangelizava essa região. São Lucas, que andava com o Apóstolo, contou este episódio: “…Filipos, que é a cidade principal daquele distrito da Macedônia, uma colônia (romana). Nesta cidade nos detivemos por alguns dias. No sábado, saímos fora da porta para junto do rio, onde pensávamos haver lugar de oração. Aí nos assentamos e falávamos às mulheres que se haviam reunido. Uma mulher, chamada Lídia, da cidade dos tiatirenos, vendedora de púrpura, temente a Deus, nos escutava. O Senhor abriu-lhe o coração, para atender às coisas que Paulo dizia” (At 16,12-14).
As formalidades da canonização levam frequentemente muitos anos. Foram, porém, curtíssimas ao tratar-se de Santa Lídia. Foi Barónio (+ 1607) que, em 1586, com sua própria autoridade, a introduziu no Martirológio romano, cuja revisão lhe estava entregue.
Santa Lídia, rogai por nós!