Pular para o conteúdo principal

Impostômetro do RN

Violência: Walfredo Gurgel registra aumento de vítimas por arma de fogo

Nominuto.com
Um levantamento feito pelo Hospital Monsenhor Walfredo Gurgel (HMWG) mostra que os índices da violência urbana por arma de fogo aumentaram no último ano, passando dos 627 (em 2015) para 719 nos últimos seis meses.
Para a contagem dos boletins também foram considerados os indicadores: homens, mulheres, menores, casos de espancamentos, ferimentos por arma branca e com objetos contundentes. Todas as vítimas foram atendidas na porta de urgência do Pronto Socorro Clóvis Sarinho (PSCS) e os números abrangem o período de janeiro a junho, de 2015 e de 2016
Os registros abrangem pacientes de todo o Rio Grande do Norte (RN) e traçam um panorama do crescente número dos casos de violência armada na capital potiguar. As agressões por arma branca também subiram de 321 (em 2015) para 340 este ano
Em contrapartida, diminuíram as ocorrências de agressão física contra o homem e contra a mulher. Até junho do ano passado, 101 mulheres haviam sido socorridas no Pronto Socorro com ferimentos graves. No mesmo período deste ano foram assistidas 80. Os casos de agressão física contra o homem também tiveram redução. Saíram dos 636 para os atuais 594.
A maior redução ficou com os casos de agressão com objetos contundentes. Neste quesito, a queda foi de quase 50%, saindo de 867 para 443.
Segundo o ortopedista, Rogério Nobre, o perfil destes pacientes é bem semelhante aos dos acidentados de moto: “a grande maioria são homens, com idade variando dos 18 aos 35 anos e em idade produtiva”, afirma.
Rogério destaca que “entre os bairros que mais demandam pacientes destes casos para o PSCS, estão: Planalto, Felipe Camarão, Passo da Pátria e outros da Zona Norte de Natal”. Sobre as causas dos ferimentos, o ortopedista diz: “a quase totalidade destes pacientes são vítimas de tentativa de assalto ou de tentativa de homicídio”.
Confira a tabela:

Postagens mais visitadas deste blog

ÁUDIO: Capitão Styverson detona a Polícia Civil diz que agentes e delegados são preguiçosos.

O temido capitão da Lei Seca, Styverson Valetim, que faz um excelente trabalho nas blitzes de trânsito, criticou com veemência os integrantes da Polícia Civil em um áudio que circula pelos grupos de WhatsApp. “Meu trabalho funciona, pois só depende de mim. Não sou vinculado à Polícia Militar”, disse Styverson no áudio, fazendo críticas até a corporação que faz parte. Depois detonou a Polícia Civil: “O Policial Civil ganha muito bem e um delegado ganha R$ 23 mil para não fazer nada”. “Já denunciei as delegacias que não querem trabalhar por preguiça”, diz ainda o Capitão Styverson. (HeitorGregório).

Violência no Rio Grande do Norte - 29.05.2016

Casal aborda e da garupa da motocicleta mulher mata jovem no Igapó 190rn - Um homicídio foi registrado neste sábado no bairro de Igapó, vitimando um jovem identificado como Eduardo, conhecido como “Dudu”, que foi vítima de pelo menos quatro disparos de arma de fogo. Segundo informações de populares, a vítima estava em frente a uma residência quando um casal chegou no local em uma motocicleta e a mulher, que estava na garupa, atirou contra ele.
Após ter sido ferido, ele ainda foi socorrido ao Hospital Santa Catarina, mas não resistiu aos ferimentos, morrendo na unidade hospitalar. Mototaxista é executado dentro de casa em São Paulo do Potengi 190rn - Um homicídio foi registrado na madrugada deste domingo, na cidade de São Paulo do Potengi vitimando um mototaxista identificado como Paulo Sérgio, mais conhecido na cidade como “Rosinha”. A vítima foi alvejada por disparos de arma de fogo, quando estava na sua residência e ainda foi socorrido mais não resistiu aos ferimentos, morrendo antes da c…

Chuva de granizo surpreende banhistas em praia na Sibéria

G1 - Russos tiveram de abandonar praia correndo; veja imagens. Em local próximo, 2 crianças morreram atingidas por árvore. Uma forte chuva de granizo pegou de surpresa os banhistas que estavam numa praia do Rio Ob, em Novosibirsk, na Sibéria (Rússia), neste sábado (12). Como lá é verão, fazia calor e havia muitas pessoas na praia. Um vídeo mostra como subitamente o tempo fecha e a água fica agitada pelas centenas de pedras de gelo caídas do céu. Segundo o "Siberian Times", um site de notícias locais em inglês, em certo ponto do vídeo é possível ouvir uma mulher dizendo a seu companheiro: "Se morrermos, eu te amo". Segundo a agência AP, autoridades locais informaram que duas meninas, de 3 e 4 anos, morreram na cidade de Bredsk, próxima a Novosibirsk, quando uma barraca em que estavam foi atingida por uma árvore quando tentavam se abrigar da tempestade.