Pular para o conteúdo principal

Impostômetro do RN

UFRN comprova viabilidade de tijolo gerado por resíduos do petróleo

Novo Jornal
O tijolo é a principal matéria-prima usada na Construção Civil. Com os crescentes estudos sobre alternativas sustentáveis para o meio ambiente, o tijolo de solo-cimento ou tijolo ecológico vem sendo considerado por especialistas como menos agressivo para a natureza se comparado ao tijolo convencional.
Foi a partir de uma tese de doutorado e à convite da Editora alemã Springer, que os professores Wilson Acchar e Sheyla Marques, desenvolveram o livro “Ecological Soil-Cement Bricks from Waste Materials”. A obra aborda a possibilidade da fabricação do tijolo ecológico com o aproveitamento de resíduos gerado pelas indústrias, a partir da utilização da cinza do bagaço da cana-de-açúcar (um dos principais resíduos do setor sucroalcooleiro, gerado na queima da cana) e do cascalho (resíduo que é proveniente da perfuração de poços de petróleo).
As matérias-primas foram caracterizadas por técnicas que comprovassem que não eram nocivas, ou seja, que não possuíam radioatividade e toxidade. Dessa forma, foram feitas análises mineralógicas, a técnica da difração de raios X, microscopia eletrônica, entre outras. Os estudos dos professores comprovaram a eficácia do produto com a realização de ensaios específicos que avaliaram as propriedades físicas, química e mecânica do material. Assim, os 18 corpos de prova obtidos em quatro diferentes formulações e passaram por ensaios de perda de massa por imersão, absorção de água e comprovação da resistência por compressão.
No Brasil, o tijolo de solo-cimento passou a ser fabricado na década de 1970, o produto pode ser útil na construção de residências, instalações comerciais e industriais. O material é resultante da mistura homogênea, compactada e curada de Solo (argila) + Cimento + Água e a incorporação de resíduos. Durante a fabricação, a massa é misturada numa maromba, depois levada a uma matriz que é vendida comercialmente, prensada de acordo com o molde e depois curada. Curar no processo de fabricação do tijolo ecológico significa tomar resistência e passar por reações químicas para obter durabilidade.
O melhor resultado do estudo foi com a incorporação de 86% do cascalho + 12% de cimento + 2% de cinza. A doutora em Engenharia de Materiais, Sheyla Marques, explica que o cascalho possui a sílica, composto químico que aumenta em quatro vezes a resistência à compressão, e que a cinza também colabora com a resistência física do material, pois reage de forma eficaz com o cimento. Os corpos de prova também receberam a aplicação de esmalte que contribui na diminuição da absorção da água e possibilita a melhora no acabamento dos tijolos.
Segundo o professor Wilson Acchar, do Departamento de Física Teórica e Experimental (DFTE) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), o produto possibilita o aproveitamento de resíduos que geralmente vão para aterros e destinos inadequados. ‘’Desenvolvimento sustentável é a peça-chave da fabricação desse material, pois se produz um tijolo de baixo custo, utilizando matérias-primas que ainda são um grande problema ambiental”, afirma o professor que é coordenador do Programa de Pós-graduação em Ciência e Engenharia de Materiais da UFRN.
Vantagens
Wilson Acchar explica que o processo de fabricação do tijolo-ecológico é simples e não necessita de mão-de-obra especializada. Além disso, não o tijolo é levado para a queima, dispensando o corte da lenha nativa comumente utilizada como combustível nas indústrias. Essa vantagem evita a dispersão de gases poluentes na natureza.
Por não utilizar fornos e nem secadores, o produto acaba reduzindo gastos energéticos, pois a secagem do material é realizada ao ar livre. “O tijolo solo-cimento não desertifica e nem polui o meio ambiente. Aproveitamos os resíduos e fazemos a mistura dos materiais, moldamos e ele é levado para secagem ao natural”, comenta Acchar. O produto leva de 14 a 28 dias para secar por completo.
O uso de prensas manuais ou hidraúlicas e de um molde determina a forma do tijolo ecológico, que possui dois furos, diferente do tijolo de cerâmica, que possui oito. A pequena quantidade de furos possibilita a economia com materiais para instalação hidraúlica e elétrica, visto que os furos são condutores para a rede. Além disso, os furos influenciam no aumento do isolamento térmico e acústico, pois contém câmaras de ar que tornam a temperatura mais amena e reduz o som externo.
De acordo com dados da Associação Nacional da Indústria do Tijolo Ecológico (Aniteco), o produto apresenta redução de custos como a economia de 100% em argamassas de revestimento para o acabamento das paredes internas e externas e 60% com ferragens para a sustentação estrutural da edificação. O produto é regulamentado pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT NBR 8491:2012).
A pesquisa
O desenvolvimento de toda a pesquisa durou seis anos. O trabalho é uma compilação de resultados obtidos pelo mestrado e doutorado da professora Sheyla Marques, atualmente professora do Instituto Federal de Alagoas (IFAL) campus Palmeira dos Índios, em coautoria com o professor Wilson Acchar da UFRN.
O uso do cascalho proveniente da perfuração de poços de petróleo para fabricação dos corpos de prova foram obtidos em parceria com a unidade da Petrobrás em Mossoró/RN, que armazena os resíduos e faz o tratamento da matéria-prima e cedeu a utilização para o Departamento de Ciência e Engenharia de Materiais da UFRN. Já a cinza do bagaço da cana-de- açúcar foi obtida em parceria com uma empresa sucroalcooleira da Bahia e o Instituto Federal da Bahia (IFBA).
A pesquisa com a utilização desses resíduos é pioneira. A intenção é inserir o produto no mercado. “Conseguimos fabricar um produto ecológico com matérias-primas que são descartadas. A expectativa é incorporá-lo no mercado e realizar maiores estudos sobre os valores comerciais agregados para que venham a ser usados pela construção civil”, afirma a professora Sheyla Marques.

Postagens mais visitadas deste blog

ÁUDIO: Capitão Styverson detona a Polícia Civil diz que agentes e delegados são preguiçosos.

O temido capitão da Lei Seca, Styverson Valetim, que faz um excelente trabalho nas blitzes de trânsito, criticou com veemência os integrantes da Polícia Civil em um áudio que circula pelos grupos de WhatsApp. “Meu trabalho funciona, pois só depende de mim. Não sou vinculado à Polícia Militar”, disse Styverson no áudio, fazendo críticas até a corporação que faz parte. Depois detonou a Polícia Civil: “O Policial Civil ganha muito bem e um delegado ganha R$ 23 mil para não fazer nada”. “Já denunciei as delegacias que não querem trabalhar por preguiça”, diz ainda o Capitão Styverson. (HeitorGregório).

Violência no Rio Grande do Norte - 29.05.2016

Casal aborda e da garupa da motocicleta mulher mata jovem no Igapó 190rn - Um homicídio foi registrado neste sábado no bairro de Igapó, vitimando um jovem identificado como Eduardo, conhecido como “Dudu”, que foi vítima de pelo menos quatro disparos de arma de fogo. Segundo informações de populares, a vítima estava em frente a uma residência quando um casal chegou no local em uma motocicleta e a mulher, que estava na garupa, atirou contra ele.
Após ter sido ferido, ele ainda foi socorrido ao Hospital Santa Catarina, mas não resistiu aos ferimentos, morrendo na unidade hospitalar. Mototaxista é executado dentro de casa em São Paulo do Potengi 190rn - Um homicídio foi registrado na madrugada deste domingo, na cidade de São Paulo do Potengi vitimando um mototaxista identificado como Paulo Sérgio, mais conhecido na cidade como “Rosinha”. A vítima foi alvejada por disparos de arma de fogo, quando estava na sua residência e ainda foi socorrido mais não resistiu aos ferimentos, morrendo antes da c…

Mega Fazenda de Lula na Argentina

Segundo o guia dos pescadores a Mega Fazenda pertence ao ex-presidente da República Luiz Inácio LULA da Silva e seu filho Lulinha. Assistam o vídeo e vejam onde o dinheiro do Brasil, do povo brasileiro está indo parar. (jonasmelloradialista)