Pular para o conteúdo principal

Impostômetro do RN

Partidos políticos já receberam R$ 370 milhões este ano

Contas Abertas
Os partidos políticos podem até estar passando por uma crise institucional e ética, no entanto, a crise econômica ainda não atingiu as entidades. No primeiro semestre deste ano, já foram desembolsados para as 35 agremiações R$ 370 milhões provenientes do Fundo Partidário.
O levantamento do Contas Abertas se baseia em informações do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O valor poderia ser ainda maior pois houve bloqueios correspondentes aos votos dos parlamentares que migraram para o Partido da Mulher Brasileira – PMB. Além disso, no mês de junho houve desconto no total de R$ 69.704,86 na cota destinada ao PRTB em razão de acórdãos proferidos em prestações de contas.
O valor anual destinado a cada agremiação é definido de acordo com a votação anterior de cada sigla à Câmara Federal. Os repasses, contudo, podem ser suspensos caso não seja feita a prestação de contas anual pelo partido ou a mesma seja reprovada pela Justiça Eleitoral, conforme artigo 37 da Lei Eleitoral (9.096/95).
Dessa forma, a agremiação que mais recebeu recursos do fundo no ano passado foi o Partido dos Trabalhos (PT). O partido da atual presidente afastada, Dilma Rousseff, recebeu R$ 49 milhões em 2016. O montante representa 13,3% do total desembolsado pelo Fundo.
O segundo maior beneficiado neste ano foi o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), que recebeu R$ 40,4 milhões (11% do total desembolsado). Logo atrás está o partido do atual presidente em exercício, Michel Temer. O Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) já conta com R$ 39,4 milhões em recursos públicos neste ano.
Ao todo, R$ 737,9 milhões estão disponíveis para para os partidos em 2016. O montante é menor do que os R$ 811,3 milhões autorizados no orçamento do Fundo Partidário no ano passado.
Cabe ressaltar, que como o Supremo Tribunal Federal declarou inconstitucional a doação de empresas para as campanhas políticas (ADI 4650). Com isso, as campanhas eleitorais contarão apenas com os recursos do Fundo Partidário e de pessoas físicas.
O Fundo Especial de Assistência Financeira aos Partidos Políticos, denominado Fundo Partidário, é constituído por dotações orçamentárias da União, multas, penalidades, doações e outros recursos financeiros que lhes forem atribuídos por lei. Os valores repassados aos partidos políticos, referentes aos duodécimos e multas (discriminados por partido e relativos ao mês de distribuição), são publicados mensalmente no Diário da Justiça Eletrônico.
O Fundo Partidário é utilizado para financiar as atividades das agremiações. Os partidos têm direito a receber verbas públicas através do Fundo de Assistência Financeira aos Partidos Políticos, ou simplesmente Fundo Partidário.
O fundo existe desde 1965 e tem como objetivo garantir que os partidos tenham autonomia financeira, para criar espaço para a diversidade de ideias na nossa política. Ele é composto a partir de multas e penalidades eleitorais, recursos financeiros legais, doações espontâneas privadas e dotações orçamentárias públicas.
Projetos sem urgência
Os projetos das “10 Medidas contra a Corrupção” foram apresentados ao Congresso em março, por iniciativa do Ministério Público Federal e entidades que recolheram mais de 2 milhões de assinaturas.
Na última quarta-feira (6), o governo retirou a urgência de projetos anticorrupção que trancavam a pauta do Plenário. Dessa forma, serão priorizadas propostas do Executivo para a economia e não os projetos de combate à corrupção apoiados massivamente pela sociedade. A decisão foi tomada após reunião dos líderes da Casa com o presidente interino Michel Temer.
Ao todo cinco projetos entraram na lista, sendo que três deles são voltados para o combate à corrupção. As propostas tratam da tipificação do crime de enriquecimento ilícito de funcionário público, indisponibilidade de bens de proveniência ilícita e do estabelecimento de sanções para atividades ilícitas relacionadas a prestação de contas de partido político e de campanhas eleitorais, isto é, da punição para o caixa 2.

Postagens mais visitadas deste blog

ÁUDIO: Capitão Styverson detona a Polícia Civil diz que agentes e delegados são preguiçosos.

O temido capitão da Lei Seca, Styverson Valetim, que faz um excelente trabalho nas blitzes de trânsito, criticou com veemência os integrantes da Polícia Civil em um áudio que circula pelos grupos de WhatsApp. “Meu trabalho funciona, pois só depende de mim. Não sou vinculado à Polícia Militar”, disse Styverson no áudio, fazendo críticas até a corporação que faz parte. Depois detonou a Polícia Civil: “O Policial Civil ganha muito bem e um delegado ganha R$ 23 mil para não fazer nada”. “Já denunciei as delegacias que não querem trabalhar por preguiça”, diz ainda o Capitão Styverson. (HeitorGregório).

Violência no Rio Grande do Norte - 29.05.2016

Casal aborda e da garupa da motocicleta mulher mata jovem no Igapó 190rn - Um homicídio foi registrado neste sábado no bairro de Igapó, vitimando um jovem identificado como Eduardo, conhecido como “Dudu”, que foi vítima de pelo menos quatro disparos de arma de fogo. Segundo informações de populares, a vítima estava em frente a uma residência quando um casal chegou no local em uma motocicleta e a mulher, que estava na garupa, atirou contra ele.
Após ter sido ferido, ele ainda foi socorrido ao Hospital Santa Catarina, mas não resistiu aos ferimentos, morrendo na unidade hospitalar. Mototaxista é executado dentro de casa em São Paulo do Potengi 190rn - Um homicídio foi registrado na madrugada deste domingo, na cidade de São Paulo do Potengi vitimando um mototaxista identificado como Paulo Sérgio, mais conhecido na cidade como “Rosinha”. A vítima foi alvejada por disparos de arma de fogo, quando estava na sua residência e ainda foi socorrido mais não resistiu aos ferimentos, morrendo antes da c…

Mega Fazenda de Lula na Argentina

Segundo o guia dos pescadores a Mega Fazenda pertence ao ex-presidente da República Luiz Inácio LULA da Silva e seu filho Lulinha. Assistam o vídeo e vejam onde o dinheiro do Brasil, do povo brasileiro está indo parar. (jonasmelloradialista)