terça-feira, 19 de julho de 2016

Evangelho do Dia/Santo do Dia

19 de julho de 2016 – CNBB
1ª Leitura - Mq 7,14-15.18-20
Lançará ao fundo do mar todos os nossos pecados.
Leitura da Profecia de Miquéias 7,14-15.18-20
14Apascenta o teu povo com o cajado da autoridade,o rebanho de tua propriedade,os habitantes dispersos pela mata e pelos campos cultivados;
15E, como foi nos dia sem que nos fizeste sair do Egito,faze-nos ver novos prodígios.
18Qual Deus existe, como tu,que apagas a iniquidade e esqueces o pecado daqueles que são resto de tua propriedade? - Ele não guarda rancor para sempre, o que ama é a misericórdia.
19Voltará a compadecer-se de nós, esquecerá nossas iniquidades e lançará ao fundo do mar todos os nossos pecados.
20Tu manterás fidelidade a Jacó e terás compaixão de Abraão, como juraste a nossos pais, desde tempos remotos.
Palavra do Senhor.
Salmo - Sl 84,2-4. 5-6. 7-8 (R.8a)
R. Mostrai-nos, ó Senhor, vossa bondade.
2Favorecestes, ó Senhor, a vossa terra, * libertastes os cativos de Jacó.
3Perdoastes o pecado ao vosso povo, * encobristes toda a falta cometida;
4retirastes a ameaça que fizestes, * acalmastes o furor de vossa ira.R.
5Renovai-nos, nosso Deus e Salvador, * esquecei a vossa mágoa contra nós!
6Ficareis eternamente irritado? * Guardareis a vossa ira pelos séculos?R.
7Não vireis restituir a nossa vida, * para que em vós se rejubile o vosso povo?
8Mostrai-nos, ó Senhor, vossa bondade, * concedei-nos também vossa salvação!R.
Evangelho - Mt 12,46-50
E, estendendo a mão para os discípulos, Jesus disse:
'Eis minha mãe e meus irmãos.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus 12,46-50
Naquele tempo:
46Enquanto Jesus estava falando às multidões, sua mãe e seus irmãos ficaram do lado de fora, procurando falar com ele.
47Alguém disse a Jesus: 'Olha! Tua mãe e teus irmãos estão aí fora, e querem falar contigo.'
48Jesus perguntou àquele que tinha falado: 'Quem é minha mãe, e quem são meus irmãos?'
49E, estendendo a mão para os discípulos, Jesus disse: 'Eis minha mãe e meus irmãos.
50Pois todo aquele que faz a vontade do meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe.'
Palavra da Salvação.
Reflexão - Mt 12, 46-50
Jesus não quer que nós sejamos seus servos, pois o amor que ele tem por nós não permite isso. O apóstolo São João nos diz no seu Evangelho que Jesus não chama os seus seguidores de servos, mas de amigos, porque lhes revelou tudo o que o Pai lhe deu a conhecer. Mas no Evangelho de hoje, Jesus vai mais além, ele nos mostra que quer que todos os que ele ama e o amam sejam membros da sua família, participem da sua vida divina. Para demonstrar o amor que temos por Jesus, não basta apenas afirmar o amor que se sente por ele, é preciso ir além, é preciso conhecer e realizar a vontade do Pai. Somente quem faz a vontade do Pai ama verdadeiramente a Jesus, torna-se membro da sua família e participa da sua vida.
SANTO DO DIA
São Símaco era conciliador, homem de justiça e sinal de paz
Intercede por nós, para que nos tempos de hoje, por amor a Cristo e à Igreja, sejamos promotores da paz
Neste dia, celebramos um santo Papa que enfrentou um período da história em que a Igreja sofria com pressões internas e externas.
Nasceu na Ilha da Sardenha no século V. Pertenceu ao clero romano e foi eleito Papa em 498. No tempo de Símaco, a Igreja era duramente atingida por perseguições.
Muitas famílias tradicionais de Roma, bem como o Senado, buscavam de todas as formas influenciar a ação da Igreja, trazendo assim muitos prejuízos; isto perdurou por um tempo até levantar-se Símaco. O santo Papa combateu e venceu estes “invasores”, recuperando assim a total liberdade da Igreja, na sua organização e disciplina.
Com a queda do império romano e a invasão dos vândalos, godos, visigodos e longobardos, que começavam a dominar o Ocidente, São Símaco, na ousadia, entrou nas intrigas sociais e políticas, para assim tomar partido da paz e da harmonia e não de algum dos lados. Na função eficiente de pai comum, suscitou a inveja do imperador do Oriente que começou a perseguir os cristãos; em resposta a esta atitude corrigiu Símaco: “Lança um olhar, o Imperador, a tantos príncipes que perseguiram a Igreja e vê como todos eles tiveram triste fim, ao passo que a Igreja perseguida continua com tanto mais glória, quanto mais violenta lhe foi a perseguição”.
Símaco era conciliador, homem de justiça e sinal de paz.
Em 514 ele partiu para a glória celeste e intercede por nós, para que nos tempos de hoje, por amor a Cristo e à Igreja, sejamos promotores da paz.
São Símaco, rogai por nós!