terça-feira, 12 de julho de 2016

Evangelho do Dia/Santo do Dia

12 de julho de 2016 – CNBB
1ª Leitura - Is 7,1-9
Se não confiardes, não podereis manter-vos firmes.
Leitura do Livro do Profeta Isaías 7,1-9
1No tempo de Acaz, filho de Joatão, filho de Ozias, rei de Judá, aconteceu que Rason, rei da Síria, e Facéia, filho de Romelias, rei de Israel,
puseram-se em marcha para atacar Jerusalém, mas não conseguiram conquistá-la.
2Foi dada a notícia à casa de Davi: 'Os homens da Síria estão acampados em Efraim'. Tremeu o coração do rei e de todo o povo, como as árvores da floresta diante do vento.
3Então disse o Senhor a Isaías: 'Vai ao encontro de Acaz com teu filho Sear-Iasub  (isto é, 'um resto voltará') até a ponta do canal, na piscina superior, na direção da estrada do Campo dos pisadores;
4e dirás ao rei: Procura estar calmo; não temas nem estremeça o teu coração por causa desses dois pedaços de tição fumegantes, diante da ira furiosa de Rason
e da Síria, e do filho de Romelias,
5por terem a Síria, Efraim e o filho de Romelias conjurado contra ti, dizendo:
6'Vamos atacar Judá, enchê-lo de medo e conquistá-lo para nós, e nomear novo rei, o filho de Tabeel'.
7Isto diz o Senhor Deus: 'Este plano fracassará, nada disso se realizará!
8Que seja Damasco a capital da Síria e Rason o chefe de Damasco; dentro de sessenta e cinco anos deixará Efraim de ser povo;
9que seja a Samaria capital de Efraim e o filho de Romelias chefe de Efraim. De resto, se não confiardes, não podereis manter-vos firmes'.
Palavra do Senhor.
Salmo - Sl 47,2-3a. 3b-4. 5-6. 7-8 (R. 9d)
R. O Senhor estabelece sua cidade para sempre.
2Grande é o Senhor e muito digno de louvores * na cidade onde ele mora;
3aseu Monte santo, esta colina encantadora * é a alegria do universo.R.
3bMonte Sião, no extremo norte situado, * és a mansão do grande Rei!
4Deus revelou-se em suas fortes cidadelas * um refúgio poderoso.R.
5Pois eis que os reis da terra se aliaram, * e todos juntos avançaram;
6mal a viram, de pavor estremeceram, * debandaram perturbados.R.
7Como as dores da mulher sofrendo parto, * uma angústia os invadiu;
8semelhante ao vento leste impetuoso, * que despedaça as naus de Társis.
Evangelho - Mt 11,20-24
No dia do julgamento, Tiro e Sidônia
serão tratadas com menos dureza do que vós.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus 11,20-24
Naquele tempo:
20Jesus começou a censurar as cidades onde fora realizada a maior parte de seus milagres, porque não se tinham convertido.
21'Ai de ti, Corazim! Ai de ti, Betsaida! Porque, se os milagres que se realizaram no meio de vós, tivessem sido feitos em Tiro e Sidônia, há muito tempo elas teriam feito penitência, vestindo-se de cilício e cobrindo-se de cinza.
22Pois bem! Eu vos digo: no dia do julgamento, Tiro e Sidônia serão tratadas com menos dureza do que vós.
23E tu, Cafarnaum! Acaso serás erguida até o céu? Não! Serás jogada no inferno! Porque, se os milagres que foram realizados no meio de ti tivessem sido feitos em Sodoma, ela existiria até hoje!
24Eu, porém, vos digo: no dia do juízo, Sodoma será tratada com menos dureza do que vós!'
Palavra da Salvação.
Reflexão - Mt 11, 20-24
É comum nós vermos diversas pessoas que participam da vida da Igreja lamentando a incredulidade que existe no mundo moderno e os graves problemas que encontramos na humanidade que são, na maioria das vezes, conseqüências do pecado. Mas nós não paramos para pensar que isso acontece por causa da nossa falta de fé. Se todos nós tivéssemos de fato uma fé verdadeira, esta fé nos lançaria para o trabalho evangelizador e de transformação social ao invés de ficarmos lamentando a situação do mundo. Quem crê sabe que a única resposta plausível para os problemas do mundo se chama Evangelho e, por isso, sempre tem um renovado ardor missionário que o impele constantemente ao trabalho evangelizador.
SANTO DO DIA
São João Gualberto, tornou-se pai dos monges e modelo
Deus o encaminhou à vida religiosa, à vida eremítica e depois à fundação de uma nova Ordem, chamada de Vallombrosa
Com muita alegria nos deparamos com a santidade de vida de São João Gualberto, que pertenceu a uma nobre família de Florença, a qual muito bem o educou na cultura, porém, deixou falhas no essencial, ou seja, na vida religiosa. Por isso, facilmente, ele foi se entregando às liberdades perigosas e às vaidades do mundo.
Aconteceu que, com o assassinato do seu irmão, João Gualberto – como o pai – revoltou-se a ponto de jurar o causador de morte; mas um certo dia, numa estreita estrada, Gualberto encontrou-se com o assassino desarmado, por isso arrancou sua espada para vingar o irmão, quando de repente a súplica: “Por amor de Jesus que neste dia morreu por nós, tem piedade de mim, não me mates!”.
Era uma Sexta-feira Santa, e assim, tocado pela misericórdia de Deus, João Gualberto não só acolheu o malvado com seu perdão, mas também ao entrar numa igreja, recebeu aos pés do Crucificado a graça do perdão e a vida nova.
No processo de conversão de São João Gualberto, Deus o encaminhou à vida religiosa, à vida eremítica e depois à fundação de uma nova Ordem, chamada de Vallombrosa, na qual São João Gualberto tornou-se pai do monges e modelo, já que, antes de entrar na Vida Eterna em 1073, com 73 anos partilhou para os irmãos: “Quando quiserem eleger um abade, escolham entre os irmãos o mais humilde, o mais doce, o mais mortificado”.
São João Gualberto, rogai por nós!