terça-feira, 5 de julho de 2016

Capitão Styvenson pede que potiguares doem medula óssea e ajudem o garoto Victor

AgoraRN
O capitão PM Styvenson Valentim, 39 anos, conhecido por sua bravura e condução exemplar nos trabalhos que comandava na Operação Lei Seca em todo o Estado, vem desempenhando um papel sócio educativo junto aos jovens, onde não só explica a importância do cumprimento da lei, dos bons costumes, mas sobretudo da cidadania. Afastado temporariamente das fiscalizações – a espera da decisão do Comando Geral – ele segue ministrando palestras em várias cidades potiguares.
Nesta terça-feira, o oficial da Polícia Militar resolveu conhecer, pessoalmente, Victor Lucas – um garoto de apenas 8 anos, que tem leucemia, e aguarda um transplante de medula óssea para viver.
O menino está internado no Hospital Infantil Varela Santiago e, como o próprio Styvenson mencionou em sua página no Facebook, ele é tão incrível como seu super herói preferido: o Hulk.
Segundo o capitão, Victor precisa encontrar uma medula óssea compatível. Para isso, é preciso acabar com o mito de que doar o tal tecido líquido-gelatinoso que ocupa o interior dos ossos, conhecido popularmente por ‘tutano’, dói ou pode causar danos físicos e/ou psíquico ao doador. “Precisamos acreditar que com coragem e humanismo ajudaremos não só pessoas do Rio Grande do Norte, mas do Brasil inteiro. Então, doe medula óssea, doe seu tempo, doe sua atenção às pessoas que já perderam quase tudo, mas não perderam a esperança de lutar e viver! Doe sangue, doe órgãos, doe sua presença para todos que precisam de você”.
Na próxima quinta-feira, Styvenson garante que incluirá seu nome no banco do Hemonorte para futuras doações. Ele também se comprometeu em retornar ao Varela Santiago para presentear algumas crianças. Missão dada, missão cumprida!
O capitão Styvenson se disponibiliza em dar palestras em escolas e outros estabelecimentos, inclusive privados. A única exigência, frisou, é que as arrecadações (livros, donativos, material de limpeza) sejam destinadas a quem de fato precisa.