Pular para o conteúdo principal

Impostômetro do RN

No AM, bebê com marcas de mordida e vítima de estupro segue internado

G1 AM - O bebê de um ano e quatro meses, hospitalizado com marcas de mordida no corpo e violência sexual, segue internado em Manaus. De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde (Susam), o menino tem quadro de saúde estável. A mãe e um adolescente de 17 anos são suspeitos do crime.
A criança deu entrada no Pronto-Socorro da Criança João Lúcio no domingo (12), com diversas marcas de mordidas, hematomas de espancamento por todo corpo, além de ferimentos no pênis. Na ocasião, a família negou à reportagem que tivesse ocorrido violência contra o bebê.
De acordo com a Secretaria de Saúde, o bebê chegou a receber alta médica no domingo, mas voltou a ser internado no mesmo dia. Ele foi levado para o Pronto-Socorro da Criança da Zona Sul.
O bebê está na enfermaria, sendo acompanhada entre outras especialidades pela urologia, segundo informou a Susam.
Prisões
A mãe, de 22 anos, foi presa e o padrasto, um adolescente de 17 anos, foi apreendido.
O padrasto confessou à polícia ser o autor das lesões. O adolescente declarou que estava sob efeito de entorpecentes. A mãe nega ter conhecimento do crime. Os dois foram apresentados nesta segunda-feira (13) à imprensa.
Na delegacia, o rapaz disse à polícia que estuprou e mordeu a criança. Ele afirmou que estava sob efeito de drogas, mas que lembra com detalhes do crime. "Tava drogado, tinha cheirado pó. Só lembro que mordi. Eu brincava com ele", declarou.
A delegada Juliana Tuma, titular da Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca), informou que o suspeito relatou, em depoimento, ter sufocado o bebê em vários momentos e afirmou não entender como a mãe não ouviu o choro da criança, já que o menino gritava muito. Além disso, ele dormia na cama entre os dois.
A mãe nega envolvimento no caso. "Nem desconfiava que ele fazia isso com meu filho. Ele acalentava meu filho. Sinto ódio e revolta porque estou pagando por algo que não fiz", disse a mulher na delegacia.
Juliana Tuma informou que o exame de corpo de delito realizado no menino apontou que as marcas de mordidas no corpo e no pênis do bebê foram feitas por um adulto. O Instituto Médico Legal confirmou os abusos sexuais.
"Quando a equipe da Depca chegou no hospital, essa mãe não foi colaborativa, se recusou a dar o endereço do namorado, fornecer dados. A equipe da Depca, após investigação, conseguiu chegar ao autor desse fato tão repugnante. Eles estavam juntos há dois meses. Temos relatos de que ele estava com ciúmes de que amigos que fizeram uma festa surpresa para a mãe e ele ficou com ciúmes. Para se vingar resolveu fazer isso com a criança", disse a delegada. O bebê está sob guarda tutelar.
A mãe e o padrasto foram indiciados por crime de tortura e estupro de vulnerável. A mulher também vai responder criminalmente por omissão. O adolescente está apreendido na Delegacia Especializada em Apuração de Atos Infracionais (Deaai), onde aguardará decisão judicial. A mãe será levada à cadeia feminina.
Entenda o caso
A mãe do menino de um ano e quatro meses foi encaminhada à polícia, no domingo (12), após o filho ser atendido no Pronto-Socorro da Criança João Lúcio, na Zona Leste de Manaus, com marcas de agressão pelo corpo.
O caso revoltou a equipe médica e pessoas que estavam na unidade de saúde no momento do atendimento. A mãe e o padrasto da criança levaram o menino até o hospital.
A pediatra Aline Coelho Cordeiro, que atendeu a criança, contou ao G1 que ele tinha diversas marcas de mordidas, hematomas de espancamento por todo corpo e ferimentos no pênis. Na ocasião, a família negou à reportagem que tivesse ocorrido violência contra o bebê.
"A criança chegou chorando. A mãe, super fria, chegou dizendo que a criança tinha caído do velocípede. Achei muito estranho porque a gente conhece quando a criança cai e, ele estava cheio de mordidas pelo corpo inteiro, perna, tronco, cabeça, bochecha, inclusive na área genital. O "pintinho" dele estava dilacerado com mordidas", disse a pediatra Aline Coelho Cordeiro.

Postagens mais visitadas deste blog

ÁUDIO: Capitão Styverson detona a Polícia Civil diz que agentes e delegados são preguiçosos.

O temido capitão da Lei Seca, Styverson Valetim, que faz um excelente trabalho nas blitzes de trânsito, criticou com veemência os integrantes da Polícia Civil em um áudio que circula pelos grupos de WhatsApp. “Meu trabalho funciona, pois só depende de mim. Não sou vinculado à Polícia Militar”, disse Styverson no áudio, fazendo críticas até a corporação que faz parte. Depois detonou a Polícia Civil: “O Policial Civil ganha muito bem e um delegado ganha R$ 23 mil para não fazer nada”. “Já denunciei as delegacias que não querem trabalhar por preguiça”, diz ainda o Capitão Styverson. (HeitorGregório).

Violência no Rio Grande do Norte - 29.05.2016

Casal aborda e da garupa da motocicleta mulher mata jovem no Igapó 190rn - Um homicídio foi registrado neste sábado no bairro de Igapó, vitimando um jovem identificado como Eduardo, conhecido como “Dudu”, que foi vítima de pelo menos quatro disparos de arma de fogo. Segundo informações de populares, a vítima estava em frente a uma residência quando um casal chegou no local em uma motocicleta e a mulher, que estava na garupa, atirou contra ele.
Após ter sido ferido, ele ainda foi socorrido ao Hospital Santa Catarina, mas não resistiu aos ferimentos, morrendo na unidade hospitalar. Mototaxista é executado dentro de casa em São Paulo do Potengi 190rn - Um homicídio foi registrado na madrugada deste domingo, na cidade de São Paulo do Potengi vitimando um mototaxista identificado como Paulo Sérgio, mais conhecido na cidade como “Rosinha”. A vítima foi alvejada por disparos de arma de fogo, quando estava na sua residência e ainda foi socorrido mais não resistiu aos ferimentos, morrendo antes da c…

Mega Fazenda de Lula na Argentina

Segundo o guia dos pescadores a Mega Fazenda pertence ao ex-presidente da República Luiz Inácio LULA da Silva e seu filho Lulinha. Assistam o vídeo e vejam onde o dinheiro do Brasil, do povo brasileiro está indo parar. (jonasmelloradialista)