quinta-feira, 12 de maio de 2016

Evangelho do Dia/Santo do Dia

12 de maio de 2016 – CNBB
1ª Leitura - At 22,30; 23,6-11
É preciso que tu sejas também minha testemunha em Roma.
Leitura dos Atos dos Apóstolos 22,30; 23,6-11
Naqueles dias:
30Querendo saber com certeza por que Paulo estava sendo acusado pelos judeus,
o tribuno soltou-o e mandou reunir os chefes dos sacerdotes
e todo o conselho dos anciãos. Depois fez trazer Paulo e colocou-o diante deles.
23,6Sabendo que uma parte dos presentes eram saduceus e a outra parte eram fariseus, Paulo exclamou no conselho dos anciãos: 'Irmãos, eu sou fariseu e filho de fariseus. Estou sendo julgado por causa da nossa esperança na ressurreição dos mortos.'
7Apenas falou isso, armou-se um conflito entre fariseus e saduceus e a assembléia se dividiu.
8Com efeito, os saduceus dizem que não há ressurreição, nem anjo, nem espírito, enquanto os fariseus sustentam uma coisa e outra.
9Houve, então, uma enorme gritaria. Alguns doutores da Lei, do partido dos fariseus, levantaram-se e começaram a protestar, dizendo: 'Não encontramos nenhum mal neste homem. E se um espírito ou anjo tivesse falado com ele?'
10E o conflito crescia cada vez mais. Receando que Paulo fosse despedaçado por eles, o comandante ordenou que os soldados descessem e o tirassem do meio deles,
levando-o de novo para o quartel.
11Na noite seguinte, o Senhor aproximou-se de Paulo e lhe disse:
'Tem confiança. Assim como tu deste testemunho de mim em Jerusalém, é preciso que tu sejas também minha testemunha em Roma.'
Palavra do Senhor.
Salmo - Sl 15, 1-2a.5. 7-8. 9-10. 11 (R.1)
R. Guardai-me, ó Deus, porque em vós me refugio!
Ou: Aleluia, Aleluia, Aleluia
1Guardai-me, ó Deus, porque em vós me refugio!*
2aDigo ao Senhor: 'Somente vós sois meu Senhor.
5Ó Senhor, sois minha herança e minha taça,* meu destino está seguro em vossas mãos!R.
7Eu bendigo o Senhor, que me aconselha,*e até de noite me adverte o coração.
8Tenho sempre o Senhor ante meus olhos,*pois se o tenho a meu lado não vacilo.R.
9Eis por que meu coração está em festa,minha alma rejubila de alegria,*e até meu corpo no repouso está tranqüilo;
10pois não haveis de me deixar entregue à morte,*nem vosso amigo conhecer a corrupção. R.
11Vós me ensinais vosso caminho para a vida; junto a vós, felicidade sem limites,*delícia eterna e alegria ao vosso lado!R.
Evangelho - Jo 17,20-26
Para que eles cheguem à unidade perfeita.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo João 17,20-26
Naquele tempo, Jesus levantou os olhos ao céu e disse:
Pai Santo,
20eu não te rogo somente por eles, mas também por aqueles que vão crer em mim pela sua palavra,
21para que todos sejam um como tu, Pai, estás em mim e eu em ti, e para que eles estejam em nós, a fim de que o mundo creia que tu me enviaste.
22Eu dei-lhes glória que tu me deste, para que eles sejam um, como nós somos um:
23eu neles e tu em mim, para que assim eles cheguem à unidade perfeita e o mundo reconheça que tu me enviaste e os amaste, como me amaste a mim.
24Pai, aqueles que me deste, quero que estejam comigo onde eu estiver, para que eles contemplem a minha glória, glória que tu me deste porque me amaste antes da fundação do universo.
25Pai justo, o mundo não te conheceu, mas eu te conheci, e estes também conheceram que tu me enviaste.
26Eu lhes fiz conhecer o teu nome, e o tornarei conhecido ainda mais, para que o amor com que me amaste esteja neles, e eu mesmo esteja neles'.
Palavra da Salvação.
Reflexão - Jo 17, 20-26
Jesus nos pede para viver a unidade de tal modo que possamos testemunhar a unidade da Trindade. Esta vivência da unidade não significa uma uniformidade, mas que todos vivamos de acordo com as nossas condições e de diferentes formas os mesmos valores. Assim, encontramos na Igreja diferentes formas de espiritualidade e de ação evangelizadora totalmente diferentes entre si, mas essas diferenças não ferem a unidade dos cristãos porque são formas diferentes e não essências, são formas diferentes de viver a mesma fé e participar no mesmo projeto anunciado por Jesus.
SANTO DO DIA
Nereu, Aquiles e Pancrácio - mártires da fé
Três mártires da fé, que causaram grande impacto no Cristianismo, já que deram sua vida por amor ao Cristo
Nereu e Aquiles viveram no século III. Foram severamente torturados e morreram durante a perseguição militar, com a qual deu início a era de Diocleciano. Uma das marcantes representações de martírio, é a gravura de Santo Aquiles atingido pelo verdugo.
Sobre Pancrácio, sabemos que herdou dos pais a fé, coragem e admiração pelo imperador. Agora, ao tornar-se órfão, teve que morar com um santo tio chamado Dionísio, que morreu mártir antes do sobrinho. Diante da perseguição promovida pelo imperador, Pancrácio, que era muito jovem, começou a ver pessoas testemunhando Jesus até o sangue, como o seu tio e amigo.
Persuadido pelo próprio imperador, que recordava o amor aos pais, São Pancrácio manteve-se fiel a Jesus, mesmo diante das promessas e ameaças de morte.
Portanto, com apenas 15 anos, São Pancrácio soube dizer ‘não’ ao poder opressor e ‘sim’ à Vida Eterna, na qual entrou depois de ser decapitado, ou seja, martirizado com Nereu e Aquiles.
Santos Nereu, Aquiles e Pancrácio, rogai por nós!