sexta-feira, 6 de maio de 2016

'Determinação', diz ex-flanelinha que passou em concurso para professor

G1 RN - Da insegurança de trabalhar nas ruas ao bem-estar da sala de aula. O ex-flanelinha Agleilson de Sousa Brasil, de 30 anos, mudou de vida quando resolveu estudar com dedicação. Mossoroense, ele passou em um concurso público e, no dia 28 de abril, assinou o termo de posse para assumir, em breve, o cargo de professor de matemática da rede estadual de educação.
"A palavra é determinação. Percebi que eu precisava de estabilidade, tanto financeira quanto emocional. Então, comecei a estudar de verdade". É assim que o ex-flanelinha descreve o seu momento de mudança. Agleilson trabalhou como flanelinha por quase 2 anos em Mossoró, na região Oeste potiguar.
Morador do Pirrichil, comunidade carente da cidade, foram muitas as dificuldades. A  juventude foi complicada por causa da separação dos pais. Como se não bastasse, a lavadeira Maria Evanilda de Sousa, mãe de Agleilson, contou que ele ia pra rua chupar manga quando a fome apertava, uma vez que faltava dinheiro para as refeições.
Ainda guardador de carros, teve que conviver com uma rotina pesada de trabalho para ajudar a mãe, com quem ainda mora. Contudo, nunca abandonou completamente os estudos. "As pessoas generalizam, não é? Quando era flanelinha, eu sofria discriminação. Os moradores achavam que eu era drogado. O preconceito ainda é forte", desabafou.
"Trabalhei como flanelinha por quase dois anos. Em 2005, o dono de uma loja de lubrificantes me chamou para trabalhar na empresa dele e foi um momento importante", relatou. Agleilson conseguiu deixar o perigo das ruas, mas ainda assim não estava satisfeito, pois tinha um sonho: os números.
Incentivado pela família e amigos, o mossoroense fez a inscrição no vestibular de 2009 da Universidade Estadual do Rio Grande do Norte (UERN). "Sempre fui apaixonado pela matemática".
A felicidade, em forma de aprovação, veio logo depois. Mas, concluir o curso foi difícil. Estudar requer tempo e dedicação total, segundo o novo educador. "Passei por sufocos, mas não desisti", recorda.
Em 2014, Agleilson se formou e começou a dar aulas de reforço. A partir daí, surgiu uma nova paixão: a sala de aula - mais uma etapa a ser vencida. E ele venceu. O confiante Agleison se inscreveu em um concurso público em Mossoró e foi aprovado. O termo de posse, inclusive, foi assinado no dia 28 de abril e daqui a duas semanas ele começa a dar aulas.
Em tom de confissão, Agleison reconhece que "a educação pode mudar vidas, assim como mudou a minha. Outras vitórias virão".