Pular para o conteúdo principal

Impostômetro do RN

A história me reservou este momento, diz Collor

ISTOÉ - O ex-presidente da República, senador Fernando Collor (PTC-AL), reservou grande parte do pronunciamento na sessão da Comissão Especial de Impeachment que avalia o afastamento de Dilma Rousseff (PT) para citar o processo semelhante enfrentado por ele, em 1992, lamentar a rapidez da tramitação do processo e ainda citar sua absolvição posterior pelo Supremo Tribunal Federal (STF). “O País chegou ao ápice de todas as crises”, disse Collor no início de um dos discursos mais esperados durante todo o dia, para logo falar sobre seu processo. “Em 1992, bastaram menos de quatro meses entre a apresentação da denúncia e minha renúncia. Hoje, o rito é o mesmo, mas o ritmo e o rigor, não”, afirmou o senador, lembrando que o parecer apreciado no Senado tem 126 páginas e o dele tinha apenas meia página com dois parágrafos. “Em 1992, fui instado a renunciar na suposição que acusação contra mim era verdadeira. (Posteriormente), fui absolvido de todas acusações pelo STF e foi pela mais alta Corte do País que não houve crime”.
Collor continuou e avaliou, em pronunciamento no mesmo Senado que o julgou, que “todas as tragédias que se podem imaginar reduzem-se a uma: o transcorrer do tempo”, para depois citar o suposto crime de responsabilidade pelo qual Dilma está sendo julgada. “O maior crime de responsabilidade está na irresponsabilidade com o desleixo da política”, disse ele, sem nominar a presidente.
Em seguida, o parlamentar falou nominalmente da presidente e disse que alertou-a, por meio de interlocutores e em raras ocasiões, sobre o impeachment, mas foi ignorado. “Não foi por falta de aviso; desde o início do governo fui a interlocutores de Dilma. Sugeri que Dilma pedisse desculpas por tudo o que ocorreu na campanha eleitoral; alertei sobre a possibilidade de Dilma sofrer impeachment”, afirmou. “Fizeram ouvidos de mercador”.
Para o ex-presidente, o pano de fundo das crises é o sistema presidencialista de governo, com o qual usufruímos apenas de “espasmos de democracia”. Ele ainda criticou a Lei do Impeachment e considerou que o todo sistema está em ruínas. “Isso requer reconstrução. Uma nova política precisa prevalecer, seja qual for o resultado de hoje”, emendou.
Por fim, o senador, citou uma biografia sobre ele a ser lançada que o isenta de crimes e emendou, sem declarar voto contrário ou favorável ao impeachment. “A história me reservou este momento, devo vivê-lo no estrito cumprimento do dever.” Após descer do púlpito, Collor foi cumprimentado por membros da mesa e ainda por vários colegas de todos os partidos.

Postagens mais visitadas deste blog

ÁUDIO: Capitão Styverson detona a Polícia Civil diz que agentes e delegados são preguiçosos.

O temido capitão da Lei Seca, Styverson Valetim, que faz um excelente trabalho nas blitzes de trânsito, criticou com veemência os integrantes da Polícia Civil em um áudio que circula pelos grupos de WhatsApp. “Meu trabalho funciona, pois só depende de mim. Não sou vinculado à Polícia Militar”, disse Styverson no áudio, fazendo críticas até a corporação que faz parte. Depois detonou a Polícia Civil: “O Policial Civil ganha muito bem e um delegado ganha R$ 23 mil para não fazer nada”. “Já denunciei as delegacias que não querem trabalhar por preguiça”, diz ainda o Capitão Styverson. (HeitorGregório).

Violência no Rio Grande do Norte - 29.05.2016

Casal aborda e da garupa da motocicleta mulher mata jovem no Igapó 190rn - Um homicídio foi registrado neste sábado no bairro de Igapó, vitimando um jovem identificado como Eduardo, conhecido como “Dudu”, que foi vítima de pelo menos quatro disparos de arma de fogo. Segundo informações de populares, a vítima estava em frente a uma residência quando um casal chegou no local em uma motocicleta e a mulher, que estava na garupa, atirou contra ele.
Após ter sido ferido, ele ainda foi socorrido ao Hospital Santa Catarina, mas não resistiu aos ferimentos, morrendo na unidade hospitalar. Mototaxista é executado dentro de casa em São Paulo do Potengi 190rn - Um homicídio foi registrado na madrugada deste domingo, na cidade de São Paulo do Potengi vitimando um mototaxista identificado como Paulo Sérgio, mais conhecido na cidade como “Rosinha”. A vítima foi alvejada por disparos de arma de fogo, quando estava na sua residência e ainda foi socorrido mais não resistiu aos ferimentos, morrendo antes da c…

Mega Fazenda de Lula na Argentina

Segundo o guia dos pescadores a Mega Fazenda pertence ao ex-presidente da República Luiz Inácio LULA da Silva e seu filho Lulinha. Assistam o vídeo e vejam onde o dinheiro do Brasil, do povo brasileiro está indo parar. (jonasmelloradialista)