terça-feira, 26 de abril de 2016

TRT-RN descartou mais de 4 mil lâmpadas fluorescentes

O Tribunal Regional do Trabalho da 21ª Região (TRT-RN), através do Setor de Responsabilidade Socioambiental, realizou, na semana passada, o descarte de mais de 4.000 (quatro mil) lâmpadas fluorescentes, que estavam adequadamente estocadas em uma sala.
A coleta foi feita pela Ecopere Consultoria Ambiental, empresa especializada na coleta, transporte, descontaminação e destinação final de lâmpadas fluorescentes pós consumo.
Os resíduos de lâmpadas fluorescentes contêm substâncias químicas altamente perigosas. A falta de critérios na disposição dessas lâmpadas é considerada uma das mais nocivas agressões ao meio ambiente e à saúde pública.
O chumbo e mercúrio, encontrados nas lâmpadas, são extremamente tóxicos e prejudiciais à saúde. O mercúrio é cumulativo no organismo e ataca o sistema nervoso e pode resultar em má formação embrionária, câncer e até morte. O chumbo também causa câncer e ataca o cérebro, os rins e os sistemas digestivo e reprodutor.
A forma de descarte correta, além de atender as exigências dos órgãos ambientais federais, estaduais e municipais, irá diminuir os impactos causados no meio ambiente.
Outro ponto importante é que vários materiais utilizados nas lâmpadas serão reciclados, a exemplo do alumínio, vidro e mercúrio, evitando que mais recursos naturais sejam retirados do planeta.
A chefe do Setor de Responsabilidade Socioambiental do tribunal, Yoanna Fernandes, alerta que o descarte de materiais tóxicos - lâmpadas, baterias e pilhas - requer muito cuidado e não pode ser feito junto da coleta comum.
Yoanna explica que, em suas residências, as pessoas devem primeiramente juntar e depois entregar esses resíduos nos locais de coleta que existem na cidade, como alguns supermercados, tais como Nordestão, Carrefour e Extra. "Se simplesmente jogadas no lixo comum, eles podem contaminar o ar, o solo e os lençóis freáticos".
Além do descarte adequado das lâmpadas, o TRT-RN está disponibilizando, no Átrio das Varas do Trabalho de Natal, coletores de pilhas que serão, posteriormente, encaminhadas para um descarte que não prejudique o meio ambiente e a saúde das pessoas.
Fonte: Ascom - TRT/21ª Região