sexta-feira, 1 de abril de 2016

Jogadores de clube do Assu são feitos reféns durante assalto a alojamento

Globo Esporte - Quatro jogadores do Assu foram feitos reféns na noite de quarta-feira, durante assalto a uma casa que serve como alojamento para os atletas. O local fica próximo ao Estádio Edgarzão, onde a equipe manda seus jogos no Campeonato Potiguar. Dois celulares foram levados na ação e nenhum dos atletas foi ferido.
Por volta das 21h30 da noite de quarta, um dos atletas saiu da residência para atender o celular. Enquanto estava ao telefone, os dois suspeitos o abordaram com um revólver e uma faca. Eles levaram o atleta para dentro do alojamento, onde tentaram render os demais.
- Ele saiu da casa para atender o celular e estava distraído na calçada. Os bandidos levaram ele para dentro e pediram os celulares dos outros, mas só um estava com o aparelho na mão. Eles mandaram um deles ir até o quarto e pegar um aparelho, mas ele se trancou e me ligou dizendo que estava acontecendo um assalto. Chamei a polícia, porque tem um batalhão lá próximo, mas eles perceberam e foram embora - relatou o gerente de futebol do clube, Carmésio Cabral, que auxiliou os jogadores após o incidente.
O dirigente diz que o mais importante é que nenhum dos jogadores foi ferido e que está tudo bem com eles.
- Só ficou o trauma psicológico de colocarem a faca na cabeça de um e um revólver na cabeça do outro, mas foi uma fatalidade porque o terreno em frente a essa casa é um matagal. Eles estavam escondidos nessa mata e aproveitaram a oportunidade. Nós nem chegamos a fazer o Boletim de Ocorrência. Só pedimos a eles que tenham mais atenção e não atendam o telefone fora de casa. Os policiais ainda fizeram buscas na região, mas não localizaram. Eram dois drogados e acreditamos que eles não vão mais voltar - contou.
Carmésio explica ainda que a segurança na casa dos atletas foi reforçada, o que tranquilizou os jogadores. Faltam apenas três partidas para o fim do Campeonato Potiguar. O clube ainda tem chances de conquistar uma das vagas do Rio Grande do Norte para a Série D do Brasileiro.
- Reforçamos a segurança lá na casa com um vigilante e pedimos aos policiais para passarem pela região com mais frequência. Até para que os jogadores não queiram sair do clube com medo da violência, já que faltam poucos jogos para acabar o campeonato - finalizou.