terça-feira, 5 de abril de 2016

Evangelho do Dia/Santo do Dia

5 de abril de 2016 – CNBB
1ª Leitura - At 4,32-37
Um só coração e uma só alma.
Leitura dos Atos dos Atos dos Apóstolos 4,32-37
32A multidão dos fiéis era um só coração e uma só alma. Ninguém considerava como próprias as coisas que possuía, mas tudo entre eles era posto em comum.
33Com grandes sinais de poder, os apóstolos davam testemunho da ressurreição do Senhor Jesus. E os fiéis eram estimados por todos.
34Entre eles ninguém passava necessidade, pois aqueles que possuíam terras ou casas,
vendiam-nas, levavam o dinheiro,
35e o colocavam aos pés dos apóstolos.Depois, era distribuído conforme a necessidade de cada um.
36José, chamado pelos apóstolos de Barnabé, que significa filho da consolação, levita e natural de Chipre,
37possuía um campo. Vendeu e foi depositar o dinheiro aos pés dos apóstolos.
Palavra do Senhor.
Salmo - Sl 92, 1ab. 1c-2. 5 (R.1a)
R. Reina o Senhor, revestiu-se de esplendor. Ou: Aleluia, Aleluia, Aleluia
1aDeus é Rei e se vestiu de majestade,*
1brevestiu-se de poder e de esplendor!R.
1cVós firmastes o universo inabalável,
2vós firmastes vosso trono desde a origem,* desde sempre, ó Senhor, vós existis!R.
5Verdadeiros são os vossos testemunhos,
refulge a santidade em vossa casa,*
refulge a santidade em vossa casa,*
refulge a santidade em vossa casa,* pelos séculos dos séculos, Senhor!R.
Evangelho - Jo 3,7b-15
Ninguém subiu ao céu, a não ser aquele
que desceu do céu, o Filho do Homem.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São João 3,7b-15
Naquele tempo disse Jesus a Nicodemos:
7bVós deveis nascer do alto.
8O vento sopra onde quer e tu podes ouvir o seu ruído, mas não sabes de onde vem, nem para onde vai. Assim acontece a todo aquele que nasceu do Espírito'.
7Não te admires por eu haver dito:  Vós deveis nascer do alto.
8O vento sopra onde quer e tu podes ouvir o seu ruído, mas não sabes de onde vem, nem para onde vai. Assim acontece a todo aquele que nasceu do Espírito'.
9Nicodemos perguntou: 'Como é que isso pode acontecer?'
10Respondeu-lhe Jesus: 'Tu és mestre em Israel, mas não sabes estas coisas?
11Em verdade, em verdade te digo, nós falamos daquilo que sabemos e damos testemunho daquilo que temos visto, mas vós não aceitais o nosso testemunho.
12Se não acreditais, quando vos falo das coisas da terra,
como acreditareis se vos falar das coisas do céu?
13E ninguém subiu ao céu, a não ser aquele que desceu do céu, o Filho do Homem.
14Do mesmo modo como Moisés levantou a serpente no deserto, assim é necessário que o Filho do Homem seja levantado,
15para que todos os que nele crerem tenham a vida eterna.
Palavra da Salvação.
Reflexão - Jo 3, 7-15
A Vida nova, a Vida segundo o Espírito, não é algo que a pessoa humana possa conseguir por si mesma, uma vez que é algo que está muito além da sua própria natureza, portanto algo que foge às suas capacidades. A Vida nova é a vida da graça, que nos é dada pelo próprio Deus, a partir do mistério pascal de Jesus. A condição para a participação nessa Vida em Cristo é a fé; todos os que acreditam que Jesus, crucificado, morto e ressuscitado, é o Filho de Deus, a segunda Pessoa da Santíssima Trindade que se fez homem para ser o Emanuel, o Deus conosco, recebem dele o dom da Vida em plenitude, o dom da vida eterna.
SANTO DO DIA
São Vicente Ferrer, homem de penitência, verdade e esperança
Pregava sobre a segunda vinda de Jesus, o Juízo Final, mas de uma maneira que provocava uma conversão nas pessoas
Nascido na Espanha em 1350, viveu em tempos difíceis pois, por influência política, havia um cisma na Igreja do Ocidente: por Cardeais foi declarada inválida a eleição de Urbano VI como Papa, e foi escolhido Roberto de Genebra que tomou o nome de Clemente VII. As coroas ibéricas procuraram manter-se neutras entre os dois Papas, mas o de Avinhão esforçou-se por conquistar a obediência delas e mandou como seu legado o Cardeal Pedro de Luna. Este procurou o apoio de Vicente, que lho deu em boa fé e escreveu um tratado sobre o cisma.
São Vicente acompanhou o mesmo legado nalgumas viagens por esses reinos, regressando depois ao ensino e à pregação em Valência. Pouco depois, volta Pedro de Luna a Avinhão e sucede a Clemente VII como Papa, tomando o nome de Bento XIII. E é reclamada a presença de Vicente em Avinhão, onde passa uns anos.
São Vicente Ferrer foi um santo religioso dominicano, grande pregador e fiel ao carisma. Ele pregava sobre a segunda vinda de Jesus, o Juízo Final, mas de uma maneira que provocava uma conversão nas pessoas. Sua pregação, Deus a confirmava com sinais, milagres e conversões.
Um homem de penitência, da verdade, da esperança, que semeava a unidade e essa expectativa do Senhor que voltará.
Vicente pôde contribuir para a eleição do Papa e pôde deixar bem claro, pela sua vida, que a Palavra de Deus precisa ser anunciada com o espírito e com uma vida a serviço da verdade e da Igreja.
São Vicente Ferrer, rogai por nós!