Pular para o conteúdo principal

Impostômetro do RN

Câmara tem sessão mais longa de sua história

Correio Popular - Após 42 horas, sessão do impeachment é a mais longa em 25 anos. A discussão sobre o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) se transformou, na madrugada deste domingo (17), na sessão mais longa da Câmara dos Deputados em 25 anos. Com quase 43 horas horas de duração, a sessão, que começou às 8h55 da última sexta-feira (15), superou a da votação da MP (Medida Provisória) dos Portos, em 2013, que durou 22 horas. A 9ª e última sessão consecutiva sobre o impeachment da presidente Dilma foi encerrada pelo deputado Gilberto Nascimento (PSC-SP) às 3h42 deste domingo. Apesar dos 249 parlamentares terem se inscrito para se pronunciar, nem todos resistiram até o final. Mais de 70 desistiram e outra centena não compareceu. Por isso, a sessão foi encerrada antes do previsto, com um quórum de menos de 20 congressistas. A votação está prevista para ter início às 14h deste domingo.
O acesso ao acampamento montado pelo manifestantes que pedem o impeachment da presidente Dilma Rousseff passou a ser controlado na noite deste sábado (16). Com um megafone nas mãos, um dos manifestantes anunciou a distribuição de pulseiras de papel para as cerca de 500 pessoas que estão acampadas dentro do Parque da Cidade - área próxima à Zona Central de Brasília a 2 km do Congresso Nacional. "Pessoal, vamos colocar as pulseirinhas, quem não estiver identificado será convidado a se retirar do acampamento", gritava o rapaz, enquanto circulava pelas barracas. O controle do acampamento também passou a contar com o apoio de vigias uniformizados, que circulam pela área para identificar qualquer movimentação suspeita. Não foi possível verificar se os seguranças estão armados. Questionados pela reportagem, disseram que também são voluntários e que não foram contratados para prestar o serviço.
SÃO PAULO - Confronto entre seguranças do metro e participantes do Carnaval Contra o Golpe,durante negociação para liberação das catracas, na estação República

Postagens mais visitadas deste blog

ÁUDIO: Capitão Styverson detona a Polícia Civil diz que agentes e delegados são preguiçosos.

O temido capitão da Lei Seca, Styverson Valetim, que faz um excelente trabalho nas blitzes de trânsito, criticou com veemência os integrantes da Polícia Civil em um áudio que circula pelos grupos de WhatsApp. “Meu trabalho funciona, pois só depende de mim. Não sou vinculado à Polícia Militar”, disse Styverson no áudio, fazendo críticas até a corporação que faz parte. Depois detonou a Polícia Civil: “O Policial Civil ganha muito bem e um delegado ganha R$ 23 mil para não fazer nada”. “Já denunciei as delegacias que não querem trabalhar por preguiça”, diz ainda o Capitão Styverson. (HeitorGregório).

Violência no Rio Grande do Norte - 29.05.2016

Casal aborda e da garupa da motocicleta mulher mata jovem no Igapó 190rn - Um homicídio foi registrado neste sábado no bairro de Igapó, vitimando um jovem identificado como Eduardo, conhecido como “Dudu”, que foi vítima de pelo menos quatro disparos de arma de fogo. Segundo informações de populares, a vítima estava em frente a uma residência quando um casal chegou no local em uma motocicleta e a mulher, que estava na garupa, atirou contra ele.
Após ter sido ferido, ele ainda foi socorrido ao Hospital Santa Catarina, mas não resistiu aos ferimentos, morrendo na unidade hospitalar. Mototaxista é executado dentro de casa em São Paulo do Potengi 190rn - Um homicídio foi registrado na madrugada deste domingo, na cidade de São Paulo do Potengi vitimando um mototaxista identificado como Paulo Sérgio, mais conhecido na cidade como “Rosinha”. A vítima foi alvejada por disparos de arma de fogo, quando estava na sua residência e ainda foi socorrido mais não resistiu aos ferimentos, morrendo antes da c…

Mega Fazenda de Lula na Argentina

Segundo o guia dos pescadores a Mega Fazenda pertence ao ex-presidente da República Luiz Inácio LULA da Silva e seu filho Lulinha. Assistam o vídeo e vejam onde o dinheiro do Brasil, do povo brasileiro está indo parar. (jonasmelloradialista)