Pular para o conteúdo principal

Impostômetro do RN

Governo e oposição lutam para atrair 141 deputados indecisos sobre impeachment

em.com - A face mais visível do placar no processo para a abertura de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff em curso na Câmara dos Deputados é a de um sistema partidário caótico, incapaz de coesão nas próprias bancadas. Contando com aproximadamente 126 votos a seu favor, contra cerca de 246 deputados que se manifestam pela instalação do procedimento, o governo joga as fichas sobre os cerca de 141 deputados federais que se declaram indecisos: precisa garantir 172 votos.
Para além de parte do PMDB, que articula abertamente o impedimento da presidente com a perspectiva de assumir o cargo maior, os parlamentares que hoje estão em compasso de espera pertencem a uma salada de partidos políticos que inclusive estão representados na Esplanada dos Ministérios. À exceção das siglas que integram o núcleo do governo, – representadas pelo PT e PCdoB – e do centro duro da oposição, – formado pelo PSDB, DEM, PPS e SD –, legendas pouco significam se o que conta é prever o posicionamento em relação ao impeachment. Da mesma forma, pertencer ou não aos governos que nos estados integram a base aliada de Dilma Rousseff pouca diferença faz.
Os campos adversários se movem na Câmara dos Deputados em meio a uma guerra por adesões baseada na máxima “cada cabeça uma sentença”. Os parlamentares em cima do muro negociam individualmente com os dois lados, tornando a batalha difusa em atores múltiplos alojados no PSD, no PTB, no PR, no PDT, para ficar nestes de estatura mediana que encabeçam ministérios. Esta é uma lógica que se reproduz junto à maior parte dos 25 partidos representados na Casa, que acaba de passar por uma dança frenética de migrações envolvendo mais de oito dezenas de deputados federais.
O PTB é o exemplo mais gritante da falta de coesão partidária. De um lado, o ministro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro (PE), senador licenciado, critica o caráter político do processo: “Não somos uma republiqueta, o processo de impeachment tem que seguir a Constituição, mas se o processo tiver caráter apenas político poderá afrontar a ordem legal”. De outro, a presidente do partido, deputada Cristiane Brasil (RJ), filha do ex-deputado Roberto Jefferson – condenado no processo do mensalão – conclama os deputados a votar pela saída de Dilma. Atualmente com 19 parlamentares na bancada federal petebista, que elegeu 25 em 2014, cada um atira para um lado: sete estão indecisos, três declaram ser contrários e nove favoráveis.
INDECISOS No balanço após o troca-troca partidário, o PSD, com a sua bancada de 33 cadeiras, também está desagregado. Enquanto o ministro das Cidades, Gilberto Kassab, presidente licenciado, garante que o PSD segue firme no apoio a Dilma Rousseff, o score da bancada registra 15 favoráveis, 15 indecisos e 3 contrários. Da mesma forma no PR, que mantém o Ministério dos Transportes com Antônio Carlos Rodrigues (SP), suplente da senadora Marta Suplicy, ex-petista, agora no PMDB. O ministro apoia o governo. Mas da bancada de 40, a metade está indecisa, 15 defendem o impeachment e cinco são contrários.
Partidos divididos e sem unidade e negociações individuais na guerra de corpo a corpo, o primeiro ingrediente desta equação é a perspectiva de sobrevivência pessoal e política. A pergunta que não se cala na cabeça dos parlamentares se volta para os rumos imprevisíveis da Operação Lava-Jato, que sinaliza para uma política de “terra arrasada”, com a liberação esta semana de listas de distribuição de recursos pela Odebrecht envolvendo mais de 200 políticos, de todos os partidos, da situação e da oposição. Que tipo de novas frentes essa lista anuncia, não há como prever. Além disso, as ruas gritam. Críticos exigindo a cabeça da presidente de um lado. Apoiadores acusando o golpe de outro. A decisão está judicializada, nas mãos do Supremo Tribunal Federal (STF), órgão com o qual disputam as manchetes hoje a Polícia Federal, o Ministério Público Federal e a Justiça Federal em primeira instância.
Pressão no Sudeste, Sul e Centro-Oeste
As bancadas do Espírito Santo, Distrito Federal, Santa Catarina, Goiás e São Paulo, estados governados nesse ordem por Paulo Hartung (PMDB), Rodrigo Rollemberg (PSB), Raimundo Colombo (PSD), Marconi Perillo (PSDB) e Geraldo Alckmin (PSDB), são as mais hostis ao governo Dilma Rousseff, alcançando mais de 70% de deputados federais que se declaram favoráveis ao impeachment.
Contrariamente, a menor adesão ao impeachment se verifica em estados do Norte e Nordeste como Amapá, Tocantins, Maranhão, Sergipe, Paraíba, Roraima, Acre, Piauí, Bahia, Ceará e Alagoas. Nessa ordem, são administrados por Waldez (PDT), Marcelo Miranda (PMDB), Flávio Dino (PCdoB), Jackson Barreto (PMDB), Ricardo Coutinho (PSB), Suely Campos (PP), Tião Viana (PT), Welington Dias (PT) e Rui Costa (PT).

Postagens mais visitadas deste blog

ÁUDIO: Capitão Styverson detona a Polícia Civil diz que agentes e delegados são preguiçosos.

O temido capitão da Lei Seca, Styverson Valetim, que faz um excelente trabalho nas blitzes de trânsito, criticou com veemência os integrantes da Polícia Civil em um áudio que circula pelos grupos de WhatsApp. “Meu trabalho funciona, pois só depende de mim. Não sou vinculado à Polícia Militar”, disse Styverson no áudio, fazendo críticas até a corporação que faz parte. Depois detonou a Polícia Civil: “O Policial Civil ganha muito bem e um delegado ganha R$ 23 mil para não fazer nada”. “Já denunciei as delegacias que não querem trabalhar por preguiça”, diz ainda o Capitão Styverson. (HeitorGregório).

Violência no Rio Grande do Norte - 29.05.2016

Casal aborda e da garupa da motocicleta mulher mata jovem no Igapó 190rn - Um homicídio foi registrado neste sábado no bairro de Igapó, vitimando um jovem identificado como Eduardo, conhecido como “Dudu”, que foi vítima de pelo menos quatro disparos de arma de fogo. Segundo informações de populares, a vítima estava em frente a uma residência quando um casal chegou no local em uma motocicleta e a mulher, que estava na garupa, atirou contra ele.
Após ter sido ferido, ele ainda foi socorrido ao Hospital Santa Catarina, mas não resistiu aos ferimentos, morrendo na unidade hospitalar. Mototaxista é executado dentro de casa em São Paulo do Potengi 190rn - Um homicídio foi registrado na madrugada deste domingo, na cidade de São Paulo do Potengi vitimando um mototaxista identificado como Paulo Sérgio, mais conhecido na cidade como “Rosinha”. A vítima foi alvejada por disparos de arma de fogo, quando estava na sua residência e ainda foi socorrido mais não resistiu aos ferimentos, morrendo antes da c…

Mega Fazenda de Lula na Argentina

Segundo o guia dos pescadores a Mega Fazenda pertence ao ex-presidente da República Luiz Inácio LULA da Silva e seu filho Lulinha. Assistam o vídeo e vejam onde o dinheiro do Brasil, do povo brasileiro está indo parar. (jonasmelloradialista)