domingo, 6 de março de 2016

Evangelho do Dia/Santo do Dia

6 de março de 2016 – CNBB
1ª Leitura - Js 5,9a.10-12
O povo de Deus celebra a Páscoa
depois de entrar na Terra Prometida.
Leitura do Livro de Josué 5,9a.10-12
Naqueles dias:
9ao Senhor disse a Josué: 'Hoje tirei de cima de vós o opróbrio do Egito'.
10Os israelitas ficaram acampados em Guilgal e celebraram a Páscoa no dia catorze do mês, à tarde, na planície de Jericó.
11No dia seguinte à Páscoa comeram dos produtos da terra, pães sem fermento e grãos tostados nesse mesmo dia.
12O maná cessou de cair no dia seguinte,  quando comeram dos produtos da terra.
Os israelitas não mais tiveram o maná. Naquele ano comeram dos frutos da terra de Canaó.
Palavra do Senhor.
Salmo - Sl 33,2-3.4-5.6-7 (R.9a)
R. Provai e vede quão suave é o Senhor!
2Bendirei o Senhor Deus em todo o tempo,* seu louvor estará sempre em minha boca.
3Minha alma se gloria no Senhor;* que ouçam os humildes e se alegrem! R.
4Comigo engrandecei ao Senhor Deus,* exaltemos todos juntos o seu nome!
5Todas as vezes que o busquei, ele me ouviu,* e de todos os temores me livrou. R.
6Contemplai a sua face e alegrai-vos,* e vosso rosto nóo se cubra de vergonha!
7Este infeliz gritou a Deus, e foi ouvido,* e o Senhor o libertou de toda angústia. R.
2ª Leitura - 2Cor 5,17-21
Por Cristo, Deus nos reconciliou com ele mesmo.
Leitura da Segunda Carta de São Paulo aos Coríntios 5,17-21
Irmãos:
7Se alguém está em Cristo, é uma criatura nova. O mundo velho desapareceu. Tudo agora é novo.
18E tudo vem de Deus, que, por Cristo, nos reconciliou consigo e nos confiou o ministério da reconciliação.
19Com efeito, em Cristo, Deus reconciliou o mundo consigo, não imputando aos homens as suas faltas e colocando em nós a palavra da reconciliação.
20Somos, pois, embaixadores de Cristo, e é Deus mesmo que exorta através de nós. Em nome de Cristo, nós vos suplicamos: deixai-vos reconciliar com Deus.
21Aquele que não cometeu nenhum pecado, Deus o fez pecado por nós, para que nele nós nos tornemos justiça de Deus.
Palavra do Senhor.
Evangelho - Lc 15,1-3.11-32
Este teu irmão estava morto e tornou a viver.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas 15,1-3.11-32
Naquele tempo:
1Os publicanos e pecadores aproximavam-se de Jesus para o escutar.
2Os fariseus, porém, e os  mestres da Lei criticavam Jesus. 'Este homem acolhe os pecadores  e faz refeição com eles.'
3Então Jesus contou-lhes esta parábola:
11'Um homem tinha dois filhos.
12O filho mais novo disse ao pai: 'Pai, dá-me a parte da herança que me cabe'. E o pai dividiu os bens entre eles.
13Poucos dias depois, o filho mais novo juntou o que era seu e partiu para um lugar distante. E ali esbanjou tudo numa vida desenfreada.
14Quando tinha gasto tudo o que possuía, houve uma grande fome naquela região, e ele começou a passar necessidade.
15Então foi pedir trabalho a um homem do lugar, que o mandou para seu campo cuidar dos porcos.
16O rapaz queria matar a fome com a comida que os porcos comiam, mas nem isto lhe davam.
17Então caiu em si e disse: 'Quantos empregados do meu pai têm pão com fartura, e eu aqui, morrendo de fome.
18Vou-me embora, vou voltar para meu pai e dizer-lhe: `Pai, pequei contra Deus e contra ti;
19já não mereço ser chamado teu filho. Trata-me como a um dos teus empregados'.
20Então ele partiu e voltou para seu pai. Quando ainda estava longe, seu pai o avistou
e sentiu compaixão. Correu-lhe ao encontro, abraçou-o, e cobriu-o de beijos.
21O filho, então, lhe disse: 'Pai, pequei contra Deus e contra ti. Já não mereço ser chamado teu filho'.
22Mas o pai disse aos empregados: `Trazei depressa a melhor túnica para vestir meu filho. E colocai um anel no seu dedo e sandálias nos pés.
23Trazei um novilho gordo e matai-o. Vamos fazer um banquete.
24Porque este meu filho estava morto e tornou a viver; estava perdido e foi encontrado'. E começaram a festa.
25O filho mais velho estava no campo. Ao voltar, já perto de casa,  ouviu música e barulho de dança.
26Então chamou um dos criados e perguntou o que estava acontecendo.
27O criado respondeu: `É teu irmão que voltou. Teu pai matou o novilho gordo, porque o recuperou com saúde'.
28Mas ele ficou com raiva e não queria entrar. O pai, saindo, insistia com ele.
29Ele, porém, respondeu ao pai: `Eu trabalho para ti há tantos anos, jamais desobedeci a qualquer ordem tua. E tu nunca me deste um cabrito para eu festejar com meus amigos.
30Quando chegou esse teu filho, que esbanjou teus bens com prostitutas,
matas para ele o novilho cevado'.
31Então o pai lhe disse: `Filho, tu estás sempre comigo, e tudo o que é meu é teu.
32Mas era preciso festejar e alegrar-nos, porque este teu irmão estava morto e tornou a viver; estava perdido, e foi encontrado'.'
Palavra da Salvação.
SANTO DO DIA
Santa Rosa de Viterbo - Jovem profeta
Mesmo com a pouca idade foi instrumento do Espírito e profetizou sobre a vida do seu povo
A santidade é uma graça que o Espírito Santo quer dar a todos, porém, é Ele que vai no tempo d’Ele manifestando para o mundo este dom dado a quem luta diariamente. Por exemplo, Santa Rosa – que lembramos neste dia – muito cedo começou a externar atitudes extraordinárias de coragem e amor ao Senhor.
Nasceu em Viterbo, no ano de 1233, numa pobre e humilde família; quando tinha apenas três anos conta-se que pela sua oração Jesus reviveu uma tia. Com sete anos, Rosa pegou uma forte doença que acabou sendo um meio para sua vida de consagração, pois Nossa Senhora apareceu a ela, restituindo sua saúde e chamando-a à uma total entrega de vida.
Santa Rosa, antes mesmo de alcançar idade, resolveu livremente vestir um hábito franciscano, já que sua meta era entrar na Ordem de Santa Clara de Assis. Menina cheia do Espírito Santo, não ficou parada diante dos hereges cátaros, que semeavam a rejeição às autoridades.
Com apenas doze anos, era instrumento eficaz nas mãos do Pai Celeste, por isso anunciava o Evangelho e denunciava as artimanhas de satanás. Banida pelo imperador, continuou profetizando. Com o falecimento do imperador, ela voltou como heroína para Viterbo. Mesmo sem ser aceita com dezesseis anos pelas Irmãs Clarissas, Santa Rosa perseverou no caminho da santidade e, aos dezoito anos, foi acometida de uma doença que a levou para a Eterna Morada de Deus.
Santa Rosa de Viterbo, rogai por nós!