Pular para o conteúdo principal

Impostômetro do RN

Polícia pede prisão de ex-presidente da Samarco e mais 6 por tragédia em MG

Folha. Uol - A Polícia Civil de Minas Gerais pediu nesta terça-feira (23) a prisão preventiva de seis funcionários da Samarco, inclusive o presidente licenciado Ricardo Vescovi, e um da VogBR, após concluir o primeiro inquérito que apura o rompimento da barragem de Fundão, em Mariana (MG).
Eles foram indiciados sob suspeita de homicídio qualificado com dolo eventual (quando se assume o risco de matar), além de poluição de água potável.
Além de Vescovi, foram indiciados o diretor de operações Kléber Terra, o gerente de projetos Germano Lopes, o gerente de operações Wagner Milagres, o coordenador técnico Wanderson Silvério e a gerente de geotecnia Daviely Rodrigues. Segundo a polícia, todos esses funcionários da Samarco estão licenciados de seus cargos.
Pela VogBR, foi indiciado o engenheiro responsável pela declaração de estabilidade de Fundão, Samuel Loures. A empresa havia sido contratada pela Samarco, que pertence à Vale e à BHP Billiton, e fazia obras no momento do acidente.
A pena de homicídio qualificado é de 12 a 30 anos. A Polícia Civil pede que cada um dos indiciados responda por esse crime 19 vezes, para cada pessoa morta em consequência do rompimento.
Para a inundação, a reclusão é de dois a seis anos, e, no caso de poluição de água potável, de dois a cinco anos. Caso se tornem réus e sejam condenados, o juiz decidirá a pena de cada um.
As investigações da Polícia Civil apontaram que a causa do rompimento foi a liquefação de rejeitos, quando a estrutura da barragem passa do estado sólido para o líquido, próximos à área da barragem que foi alteada. Essa liquefação teria ocorrido, segundo os investigadores, por falhas no monitoramento do nível da água junto a esses rejeitos.
Equipamentos que fariam o monitoramento estavam com defeitos, conforme apurou o inquérito, e não foram realizadas leituras necessárias para garantir que a barragem não apresentava riscos. Mesmo assim, a VogBR deu o laudo de estabilidade.
Segundo o delegado, estudos da UnB (Universidade de Brasília) e da USP (Universidade São Paulo) apontam que abalos sísmicos não foram responsáveis pela ruptura, como a Samarco chegou a cogitar após o incidente.
Bustamante informou que o crime ambiental e a validade das licenças da Samarco serão analisadas em um segundo inquérito. Segundo ele, a Vale a BHP Billiton, controladoras da Samarco, só poderão responder pelos crimes ambientais, e não pelos homicídios, por serem pessoas jurídicas.
‘GELATINA’
As investigações da Polícia Civil apontaram que a causa do rompimento foi a liquefação de rejeitos próximos à área da barragem que foi alteada. Essa liquefação teria acontecido, segundo os investigadores, por falhas no monitoramento do nível da água junto a esses rejeitos.
Equipamentos que fariam esse monitoramento (piezômetros) estavam com defeito, conforme apurou o inquérito, e não foram realizadas leituras necessárias para garantir que a barragem não apresentava riscos. Mesmo assim, a Vogbr deu o laudo de estabilidade.
“É como se o recuo no eixo tivesse sido construído em cima de uma gelatina”, comparou o delegado ao explicar a obra em Fundão que contribuiu para o rompimento da barragem, uma curva aberta há três anos que transformou uma reta em um “S”.
De acordo com Bustamante, o pedido de prisão dos executivos licenciados da Samarco e do funcionário da VogBR foi feito a partir de uma interpretação legal da necessidade de ordem pública. “O pressuposto de ordem pública serve não só para garantir o pressuposto penal, mas também pra dar tranquilidade à comunidade que foi atingida e uma resposta à sociedade”, disse.
Para a polícia, os executivos da Samarco foram “omissos” em suas obrigações e, mesmo que não desejassem que a barragem se rompesse, tiveram uma conduta determinante para o episódio e assumiram o risco.
Ao falar do indiciamento de Vescovi, Bustamante listou as funções do ex-presidente da mineradora: gerir os atos, planejamentos, investimentos, obras, verificar as prioridades, inteirar-se dos planos de emergência e efetivar medidas pertinentes à segurança da barragem.
“A função do presidente de uma empresa desse porte é apenas decorativa? Não, ele tinha responsabilidade nas ações e não tomou nenhuma providência que pudesse evitar esse fato”, disse o delegado.
Para o chefe da equipe de perícia da Polícia Civil, Otávio Guerra, era evidente que havia muita água acumulada no interior da barragem, mas o problema “ou não foi percebido ou foi ignorado”.
‘OUTRO LADO’
Em nota, a Samarco disse que considera “equivocados” os indiciamentos e as medidas cautelares de privação de liberdade propostas pela polícia e que vai aguardar a decisão da Justiça para tomar as providências cabíveis.
A empresa disse ainda que analisará as conclusões apresentadas pela Polícia Civil e reiterou que continua colaborando com as autoridades. Informou ainda que desde o rompimento da barragem a Samarco e suas acionistas iniciaram uma investigação externa com uma empresa de renome internacional e a participação de profissionais de diversas áreas.
“O acidente com a barragem de Fundão foi um episódio que causou extrema consternação à Samarco. Nossos sentimentos estão com as famílias e as comunidades que perderam seus entes queridos. Nós não podemos desfazer os impactos causados, mas continuamos comprometidos a fazer todo o trabalho de reconstrução e recuperação”, diz a nota.
O advogado Leonardo Marinho, que representa a VogBR e o engenheiro Samuel Paes Loures, afirmou “lamentar profundamente” o pedido de prisão preventiva de seu cliente. “Em três meses, ele [Loures] prestou mais de seis depoimentos ao Ministério Público Federal, Ministério Público Estadual e Polícia Federal. A Polícia Civil nunca ouviu ninguém da VogBR. A empresa colaborou com todas as instituições, disponibilizando todos os documentos e atendendo a todos os pedidos dentro do prazo. Prender alguém neste país não pode ser simples assim”, disse.
Segundo o advogado, o documento assinado por Loures em julho de 2015, sobre a barragem de Fundão, é um “relatório anual de inspeção”, chamado, equivocadamente, de “laudo de estabilidade”. “Ele coletou dados, em julho, dos 12 meses anteriores, e calculou um coeficiente de segurança. O menor coeficiente foi 1,68 [de um mínimo aceitável de 1,5]. De julho até novembro [quando a barragem se rompeu], se passaram quatro meses. A barragem cresceu quatro metros nesse período. Pode parecer pouco em altura, mas não em volume”, afirmou o advogado.
O indiciamento acontece duas semanas depois de a Polícia Civil realizar operação de busca e apreensão nas sedes da Samarco em Belo Horizonte e Mariana.
O inquieto do órgão tem 13 volumes e 2.432 páginas. A Polícia Federal também indiciou sete pessoas no processo que apura crime ambiental.
O rompimento da barragem de Fundão causou a morte de 19 pessoas e um rastro de destruição que chegou ao litoral do Espírito Santo, a 600 km de distância.

Postagens mais visitadas deste blog

ÁUDIO: Capitão Styverson detona a Polícia Civil diz que agentes e delegados são preguiçosos.

O temido capitão da Lei Seca, Styverson Valetim, que faz um excelente trabalho nas blitzes de trânsito, criticou com veemência os integrantes da Polícia Civil em um áudio que circula pelos grupos de WhatsApp. “Meu trabalho funciona, pois só depende de mim. Não sou vinculado à Polícia Militar”, disse Styverson no áudio, fazendo críticas até a corporação que faz parte. Depois detonou a Polícia Civil: “O Policial Civil ganha muito bem e um delegado ganha R$ 23 mil para não fazer nada”. “Já denunciei as delegacias que não querem trabalhar por preguiça”, diz ainda o Capitão Styverson. (HeitorGregório).

Violência no Rio Grande do Norte - 29.05.2016

Casal aborda e da garupa da motocicleta mulher mata jovem no Igapó 190rn - Um homicídio foi registrado neste sábado no bairro de Igapó, vitimando um jovem identificado como Eduardo, conhecido como “Dudu”, que foi vítima de pelo menos quatro disparos de arma de fogo. Segundo informações de populares, a vítima estava em frente a uma residência quando um casal chegou no local em uma motocicleta e a mulher, que estava na garupa, atirou contra ele.
Após ter sido ferido, ele ainda foi socorrido ao Hospital Santa Catarina, mas não resistiu aos ferimentos, morrendo na unidade hospitalar. Mototaxista é executado dentro de casa em São Paulo do Potengi 190rn - Um homicídio foi registrado na madrugada deste domingo, na cidade de São Paulo do Potengi vitimando um mototaxista identificado como Paulo Sérgio, mais conhecido na cidade como “Rosinha”. A vítima foi alvejada por disparos de arma de fogo, quando estava na sua residência e ainda foi socorrido mais não resistiu aos ferimentos, morrendo antes da c…

Mega Fazenda de Lula na Argentina

Segundo o guia dos pescadores a Mega Fazenda pertence ao ex-presidente da República Luiz Inácio LULA da Silva e seu filho Lulinha. Assistam o vídeo e vejam onde o dinheiro do Brasil, do povo brasileiro está indo parar. (jonasmelloradialista)