segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

Evangelho do Dia/Santo do Dia

08 de fevereiro de 2016 – CNBB
1ª Leitura - 1Rs 8,1-7.9-13
Conduziram a arca da aliança ao Santo dos Santos e uma nuvem encheu o templo do Senhor.
Leitura do Primeiro Livro dos Reis 8,1-7.9-13
Naqueles dias:
1Salomão convocou, junto de si em Jerusalém, todos os anciãos de Israel, todos os chefes das tribos e príncipes das famílias dos filhos de Israel, a fim de transferir da cidade de Sião, que é Jerusalém, a arca da aliança do Senhor.
2Todo o Israel reuniu-se em torno de Salomão, no mês de Etanim, ou seja, no sétimo mês, durante a festa.
3Vieram todos os anciãos de Israel, e os sacerdotes tomaram a arca
4e carregaram-na junto com a tenda da reunião, como também todos os objetos sagrados que nela estavam; quem os carregava eram os sacerdotes e os levitas.
5O rei Salomão e toda a comunidade de Israel, reunida em torno dele, imolavam diante da arca ovelhas e bois em tal quantidade, que não se podia contar nem calcular.
6E os sacerdotes conduziram  a arca da aliança do Senhor ao seu lugar, no santuário do templo, ao Santo dos Santos, debaixo das asas dos querubins,
7pois os querubins estendiam suas asas sobre o lugar da arca, cobrindo a arca e seus varais por cima.
9Dentro da arca só havia as duas tábuas de pedra, que Moisés ali tinha deposto no monte Horeb, quando o Senhor concluiu a aliançacom os filhos de Israel, logo que saíram da terra do Egito.
10Ora, quando os sacerdotes deixaram o santuário, uma nuvem encheu o templo do Senhor,
11de modo que os sacerdotes não puderam continuar as funções porque a glória do Senhor tinha enchido o templo do Senhor.
12Então Salomão disse: 'O Senhor disse que habitaria numa nuvem,
13e eu edifiquei uma casa para tua morada, um templo onde vivas para sempre'.
Palavra do Senhor.
Salmo - Sl 131, 6-7. 8-10 (R. 8a)
R. Subi, Senhor, para o lugar de vosso pouso!
6Nós soubemos que a arca estava em Éfrata * e nos campos de Jaar a encontramos:
7Entremos no lugar em que ele habita, * ante o escabelo de seus pés o adoremos!R.
8Subi, Senhor, para o lugar de vosso pouso, * subi vós, com vossa arca poderosa!
9Que se vistam de alegria os vossos santos, * e os vossos sacerdotes, de justiça!
10Por causa de Davi, o vosso servo, * não afasteis do vosso Ungido a vossa face!R.
Evangelho - Mc 6,53-56
E todos quantos o tocavam ficavam curados.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Marcos 6,53-56
Naquele tempo:
53Tendo Jesus e seus discípulos acabado de atravessar o mar da Galiléia, chegaram a Genesaré e amarraram a barca.
54Logo que desceram da barca, as pessoas imediatamente reconheceram Jesus.
55Percorrendo toda aquela região, levavam os doentes deitados em suas camas
para o lugar onde ouviam falar que Jesus estava.
56E, nos povoados, cidades e campos onde chegavam, colocavam os doentes nas praças e pediam-lhe para tocar, ao menos, a barra de sua veste.
E todos quantos o tocavam ficavam curados.
Palavra da Salvação.
Reflexão - Mc 6, 53-56
O cristão de verdade não pode ficar parado. Ele nunca pode dizer que cumpriu a sua missão, pois ele deve estar sempre a caminho, sempre se lançando rumo aos novos trabalhos, prestando atenção aos apelos que a realidade faz, buscando superar novos desafios e obstáculos, sempre olhando com misericórdia os irmãos e irmãs, procurando conhecer os seus problemas e necessidades e sendo para todos a manifestação do amor de Deus que responde ao clamor dos seus filhos e filhas. Por isso, quando terminamos uma etapa da caminhada, devemos iniciar outra imediatamente, pois a proposta do Reino exige isso.
SANTO DO DIA
Santa Josefina Bakhita - A primeira santa africana
Testemunhou com a própria vida a alegria de servir a Cristo em todos os momentos do seu dia
Santa irmã morena, como era conhecida, nasceu no Sudão, em 1869. Santa Josefina, como muitos naquele tempo, viveu a dureza da escravidão. Bakhita, que significa “afortunada”, não foi o nome dado a ela pelos pais, mas por uma das pessoas que, certa vez, a comprou.
Por intermédio de um cônsul italiano que a comprou, ela foi entregue a uma família amiga deste de Veneza. Ali, ela tornou-se amiga e também babá da filha mais nova deles que estava nascendo.
Em meio aos sofrimentos e a uma memória toda marcada pela dor e pelos medos, ela foi visitada pelo amor de Deus. Porque essa família de Veneza teve de voltar para a África, em vista de negócios, tanto a filha pequena quanto a babá foram entregues aos cuidados de irmãs religiosas de Santa Madalena de Canossa. Ali, Santa Bakhita conheceu o Evangelho; conhecendo a pessoa de Jesus, foi se apaixonando cada vez mais por Ele.
Com 21 anos, recebeu a graça do sacramento do batismo. Livremente, ela O acolheu e foi crescendo na vida de oração, experimentando o amor de Deus e se abrindo à ação do Espírito Santo.
Quando aqueles amigos voltaram para pegar Bakhita e a criança, foi o momento em que ela expressou o seu desejo de permanecer no local, porque queria ser religiosa. Passado o tempo de formação, recebeu a graça de ser acolhida como religiosa. Isso foi sinal de Deus para as irmãs e para o povo que rodeava aquela região.
Santa Josefina Bakhita, sempre com o sorriso nos lábios, foi uma mulher de trabalho. Exerceu várias atividades na congregação. Como porteira e bordadeira, ela serviu a Deus por intermédio dos irmãos. Carinhosamente, ela chamava a Deus como seu patrão, “o meu Patrão”, ela dizia.
Conhecida por muitos pela alegria e pela paz que comunicava, ela, com o passar dos anos, foi acometida por uma grave enfermidade. Sofreu por muito tempo, mas na sua devoção a Santíssima Virgem, na sua vida de oração, sacramental, de entrega total ao Senhor, ela pôde se deixar trabalhar por Deus, seu verdadeiro libertador. Ela partiu para a glória e foi canonizada pelo Papa João Paulo II no ano 2000.
Santa Bakhita, rogai por nós!