sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

Evangelho do Dia/Santo do Dia

22 de janeiro – CNBB
1ª Leitura - 1Sm 24,3-21
Não levantarei a mão contra ele, pois é o ungido do Senhor.
Leitura do Primeiro Livro de Samuel 24,3-21
Naqueles dias:
3Saul tomou consigo três mil homens escolhidos em todo o Israel e saiu em busca de Davi e de seus homens, até aos rochedos das cabras monteses.
4E chegou aos currais de ovelhas que encontrou no caminho.
Havia ali uma gruta, onde Saul entrou para satisfazer suas necessidades. Davi e seus homens achavam-se no fundo da gruta,
5 e os homens de Davi disseram-lhe: 'Este certamente é o dia do qual o Senhor te falou: 'Eu te entregarei o teu inimigo, para que faças dele o que quiseres'. Então Davi aproximou-se de mansinho e cortou a ponta do manto de Saul.
6Mas logo o seu coração se encheu de remorsos por ter feito aquilo,
7e disse aos seus homens: 'Que o Senhor me livre de fazer uma coisa dessas
ao ungido do Senhor, levantando a minha mão contra ele, o ungido do Senhor'.
8Com essas palavras, Davi conteve os seus homens, e não permitiu que se lançassem sobre Saul. Este deixou a gruta e seguiu seu caminho.
9Davi levantou-se a seguir, saiu da gruta e gritou atrás dele: 'Senhor, meu rei!' Saul voltou-se e Davi inclinou-se até o chão e prostrou-se.
10E disse a Saul: 'Por que dás ouvidos às palavras dos que te dizem que Davi procura fazer-te mal?
11Viste hoje com teus próprios olhos que o Senhor te entregou em minhas mãos, na gruta. Renunciando a matar-te! poupei-te a vida, porque pensei: Não levantarei a mão contra o meu senhor, pois ele é o ungido do Senhor,
12e meu pai. Presta atenção, e vê em minha mão a ponta do teu manto. Se eu cortei este pedaço do teu manto e não te matei, reconhece que não há maldade nem crime em mim, que não pequei contra ti. Tu, porém, andas procurando tirar-me a vida.
13Que o Senhor seja nosso juiz e que ele me vingue de ti.  Mas eu nunca levantarei a minha mão contra ti.
14'Dos ímpios sairá a impiedade', diz o antigo provérbio; por isso, a minha mão não te tocará.
15A quem persegues tu, ó rei de Israel? A quem persegues? Um cão morto! E uma pulga!
16Pois bem! O senhor seja juiz e julgue entre mim e ti. Que ele examine e defenda a minha causa, e me livre das tuas mãos'.
17Quando Davi terminou de falar, Saul lhe disse: 'É esta a tua voz, ó meu filho Davi?
E começou a clamar e a chorar
18Depois disse a Davi: 'Tu és mais justo do que eu, porque me tens feito bem e eu só te tenho feito mal.
19Hoje me revelaste a tua bondade para comigo, pois o Senhor me entregou em tuas mãos e não me mataste.
20Qual é o homem que, encontrando o seu inimigo, o deixa ir embora tranqüilamente? Que o Senhor te recompense pelo bem que hoje me fizeste.
21Agora, eu sei com certeza que tu serás rei, e que terás em tua mão o reino de Israel'.
Palavra do Senhor.
Salmo - Sl 56, 2.3.-4.6.11 (R. 2a)
R. Piedade, Senhor, tende piedade.
2Piedade, Senhor, piedade, * pois em vós se abriga a minh'alma! De vossas asas, à sombra, me achego, * até que passe a tormenta, Senhor!R.
3Lanço um grito ao Senhor Deus Altíssimo, * a este Deus que me dá todo o bem.
4Que me envie do céu sua ajuda + e confunda os meus opressores! * Deus me envie sua graça e verdade!R.
6Elevai-vos, ó Deus, sobre os céus, * vossa glória refulja na terra!
11Vosso amor é mais alto que os céus, *nmais que as nuvens a vossa verdade!R.
Evangelho - Mc 3,13-19
Chamou os que ele quis, para que ficassem com ele.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Marcos 3,13-19
Naquele tempo:
13Jesus subiu ao monte e chamou os que ele quis. E foram até ele.
14Então Jesus designou Doze, para que ficassem com ele e para enviá-los a pregar,
15com autoridade para expulsar os demônios.
16Designou, pois, os Doze: Simão, a quem deu o nome de Pedro;
17Tiago e João, filhos de Zebedeu, aos quais deu o nome de Boanerges, que quer dizer 'filhos do trovão';
18André, Filipe, Bartolomeu, Mateus, Tomé, Tiago, filho de Alfeu, Tadeu,
Simão, o cananeu,
19e Judas Iscariotes, aquele que depois o traiu.
Palavra da Salvação.
Reflexão - Mc 3, 13-19
A escolha dos doze apóstolos nos mostra a intenção que Jesus tem de formar o novo povo de Deus que irá substituir o povo da Antiga Aliança. De fato, a escolha dos doze não foi obra do ocaso, mas manifesta uma intenção. Assim como no Antigo Testamento, Deus forma o povo de Israel a partir das doze tribos dos descendentes de Abraão, a Igreja é o novo povo de Deus, o povo da Nova Aliança, formado a partir dos doze apóstolos de Jesus, que ele escolheu e enviou com poder para pregar e com autoridade para expulsar todo tipo de mal. Desse modo, entendemos que a Igreja é o novo povo de Deus, o povo da Nova Aliança.
SANTO DO DIA
São Vicente, um grande pregador da Palavra de Deus
São Vicente tornou-se modelo para todos os cristãos e também padroeiro principal do patriarcado de Lisboa
Um santo amado e citado por muitos santos, como Santo Agostinho, Santo Ambrósio, São Prudêncio e outros que trouxeram à tona o testemunho desse grande diácono e mártir da Igreja.
Nasceu na Espanha, em Huesca, no século terceiro. De uma família muito distinta e conhecida por todos, ele escolheu ser cristão e, assim, viver a santidade.
Vicente viveu num período muito difícil da Igreja. Um tempo em que Diocleciano e Maximiano – imperadores –, começaram a perseguir os cristãos e forçar muitos a se declararem a favor dos deuses; caso contrário, seriam martirizados. O santo de hoje foi um dos que fez a opção por Jesus.
Ele era um grande pregador da Palavra, mais do que isso, buscava viver a Palavra que pregava, esta que é, antes de tudo, Cristo Jesus, o Santo dos Santos, o nosso modelo, o nosso Senhor e Salvador. Diante das ameaças do governador Darciano, ele não recusou a se dizer cristão e fiel ao Senhor.
Os tormentos o perseguiram. Foi um martírio lento, sempre com o objetivo de vencê-lo para que Darciano se desse como herói diante do Cristianismo, mas também com o objetivo de levar São Vicente a renunciar a própria fé, a sacrificar aos deuses. Fiel a Deus e sustentado pela oração, diante de si ele tinha o seu grande amor: Deus. Sendo assim, ele for martirizado aos poucos, até mesmo levado à grelha, tendo seu corpo dilacerado, jogado numa prisão e, por fim, Darciano deixou-o num leito pedindo que cuidassem dele. Ali, sim, ele foi visitado por outros cristãos e entregou-se a Deus.
São Vicente tornou-se modelo para todos os cristãos e também padroeiro principal do patriarcado de Lisboa e também da diocese de Faro.
São Vicente, rogai por nós!