quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Evangelho do Dia/Santo do Dia

21 de janeiro de 2016 – Canção Nova
Primeira Leitura (1Sm 18,6-9;19,1-7)
Leitura do Primeiro Livro de Samuel.
18,6Naqueles dias, quando Davi voltou, depois de ter matado o filisteu, as mulheres de todas as cidades de Israel saíram ao encontro do rei Saul, dançando e cantando alegremente ao som de tamborins e címbalos.
7E, enquanto dançavam, diziam em coro: “Saul matou mil, mas Davi matou dez mil”. 8Saul ficou muito encolerizado com isto e não gostou nada da canção, dizendo: “A Davi deram dez mil, e a mim somente mil. Que lhe falta ainda, senão a realeza?” 9E, a partir daquele dia, não olhou mais para Davi com bons olhos.
19,1Saul falou a Jônatas, seu filho, e a todos os seus servos sobre sua intenção de matar Davi. Mas Jônatas, filho de Saul, amava profundamente Davi, 2e preveniu-o a respeito disso, dizendo: “Saul, meu pai, procura matar-te; portanto, toma cuidado amanhã de manhã, e fica oculto em um esconderijo. 3Eu mesmo sairei em companhia de meu pai, no campo, onde estiveres, e lhe falarei de ti, para ver o que ele diz, e depois te avisarei de tudo o que eu souber”.
4Então Jônatas falou bem de Davi a Saul, seu pai, e acrescentou: “Não faças mal algum ao teu servo Davi, porque ele nunca te ofendeu. Ao contrário, o que ele tem feito foi muito proveitoso para ti. 5Arriscou a sua vida, matando o filisteu, e o Senhor deu uma grande vitória a todo o Israel. Tu mesmo foste testemunha e te alegraste. Por que, então, pecarias, derramando sangue inocente e mandando matar Davi sem motivo?”
6Saul, ouvindo isto, e aplacado com as razões de Jônatas, jurou: “Pela vida do Senhor, ele não será morto!” 7Então Jônatas chamou Davi e contou-lhe tudo isto. Levou-o em seguida a Saul, para que ele retomasse o seu lugar, como antes.
- Palavra do Senhor.
- Graças a Deus.
Salmo
Responsório (Sl 55)
R. É no Senhor que eu confio e nada temo!
— Tende pena e compaixão de mim, ó Deus, pois há tantos que me calcam sob os pés, e agressores me oprimem todo dia! Meus inimigos de contínuo me espezinham, são numerosos os que lutam contra mim! R. É no Senhor que eu confio e nada temo!
— Do meu exílio registrastes cada passo, em vosso odre recolhestes cada lágrima, e anotastes tudo isso em vosso livro! R. É no Senhor que eu confio e nada temo!
— Meus inimigos haverão de recuar em qualquer dia em que eu vos invocar; tenho certeza: o Senhor está comigo! R. É no Senhor que eu confio e nada temo!
— Confio em Deus e louvarei sua promessa. É no Senhor que eu confio e nada temo: que poderia contra mim um ser mortal? Devo cumprir, ó Deus, os votos que vos fiz, e vos oferto um sacrifício de louvor. R. É no Senhor que eu confio e nada temo!
Evangelho (Mc 3,7-12)
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor.
Naquele tempo, 7Jesus se retirou para a beira do mar, junto com seus discípulos. Muita gente da Galileia o seguia. 8E também muita gente da Judeia, de Jerusalém, da Idumeia, do outro lado do Jordão, dos territórios de Tiro e Sidônia, foi até Jesus, porque tinham ouvido falar de tudo o que ele fazia. 9Então Jesus pediu aos discípulos que lhe providenciassem uma barca, por causa da multidão, para que não o comprimisse.
10Com efeito, Jesus tinha curado muitas pessoas, e todos os que sofriam de algum mal jogavam-se sobre ele para tocá-lo. 11Vendo Jesus, os espíritos maus caíam a seus pés, gritando: “Tu és o Filho de Deus!” 12Mas Jesus ordenava severamente para não dizerem quem ele era.
— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.
A inveja é um veneno terrível, invade o coração humano e não nos permite raciocinar, pensar sobre nossos atos e atitudes
HOMILIA DIÁRIA
Não permitamos que a inveja faça morada em nós
“Saul falou a Jônatas, seu filho, e a todos os seus servos sobre sua intenção de matar Davi. Mas Jônatas, filho de Saul, amava profundamente Davi”
Amados irmãos, a Palavra de Deus, que vem hoje ao nosso encontro, sobretudo na Primeira Leitura de Samuel, mostra-nos duas disposições ou mesmo virtudes e vícios do coração humano. A primeira delas é o sentimento terrível de inveja que toma conta do coração de Saul, que começa a invejar Davi porque o povo estava muito satisfeito com ele e começou a referenciá-lo mais do que a Saul. Em vez de rever sua própria vida, Saul deixou a inveja tomar conta de seu coração.
Quando a inveja toma conta do coração humano, é uma verdadeira desgraça, porque ela nunca vem sozinha, puxa os sentimentos mais negativos. A inveja de Saul puxou sobre ele a cólera, a ira e a raiva. Ele, profundamente, desejou matar Davi.
Veja, ele ficou encolerizado não porque Davi havia feito algo a ele, porque o havia provocado; muito pelo contrário, Davi manteve-se na humildade. Mas a inveja é um veneno terrível, invade o coração humano e não nos permite raciocinar sobre nossos atos e atitudes; de repente, estamos falando mal das pessoas, jogando umas contra as outras. Nós as estamos provocando, para que também queiram o mal daquela a quem estamos invejando. Depois, é claro, que sentimos raiva e cólera.
É verdade que não gostamos da presença da pessoa que invejamos, e quando alguém fala bem dela temos uma alguma notícia boa daquela pessoa, logo procuramos envenenar, porque a inveja é um verdadeiro veneno!
Por outro lado, o filho de Saul, Jônatas, amava seu pai, mas amava profundamente Davi, seu amigo; tinha por ele um respeito, uma consideração e uma amizade verdadeiramente profunda. E desta amizade profunda é que Jônatas vai prevenir Davi da cólera de seu pai Saul, para que não caia nas ciladas, naquilo que seu pai estava tramando para matá-lo.
Amigo é aquele que está conosco, sobretudo em nossa ausência, quando alguém (pode ser a pessoa mais importante do mundo) fala mal de nós, fala alguma coisa contra nós, é o primeiro a se doer, a querer nos defender e nos proteger. O amigo pode até nos atacar pessoalmente, brigar conosco, mas não permite que ninguém nos faça mal.
Amigo é aquele que nos protege e se faz presente quando nos fazemos ausente, é a nossa presença, é aquele que fala por nós, defende-nos e luta por nós!
A amizade verdadeira que Jônatas nutria por Davi ilumine nossas amizades, nossos relacionamentos para que o nosso coração não seja tomado pela inveja que mata, destrói e arranca os sentimentos mais profundos da alma!
Deus abençoe você!
Santa Inês, modelo de pureza
Virgem e mártir, Santa Inês se deixou transformar pelo amor de Deus que é santo
Seu nome vem do grego, que significa pura. Ela pertenceu a uma família romana e, segundo os costumes do seu tempo, foi cuidada por uma aia (uma babá) que só a deixaria após o casamento.
Santa Inês tinha cerca de 12 anos quando um pretendente se aproximou dela; segundo a tradição, era filho do prefeito de Roma e estava encantado pela beleza física de Inês. Mas sua beleza principal é aquela que não passa: a comunhão com Deus. De maneira secreta, ela tinha feito uma descoberta vocacional, era chamada a ser uma das virgens consagradas do Senhor; e fez este compromisso. O jovem não sabia e, diante de tantas propostas, ela sempre dizia ‘não’. Até que ele denunciou Inês para as autoridades, porque sob o império de Diocleciano, era correr risco de vida. Quem renunciasse Jesus ficava com a própria vida; caso contrário, se tornava um mártir. Foi o que aconteceu com esta jovem de cerca de 12 ou 13 anos.
Tão conhecida e citada pelos santos padres, Santa Inês é modelo de uma pureza à prova de fogo, pois diante das autoridades e do imperador, ela se disse cristã. Eles começaram pelo diálogo, depois as diversas ameaças com fogo e tortura, mas em nada ela renunciava o seu Divino Esposo. Até que pegaram-na e a levaram para um lugar em Roma próprio da prostituição, mas ela deixou claro que Jesus Cristo, seu Divino Esposo, não abandona os seus. De fato, ela não foi manchada pelo pecado.
Auxiliada pelo Espírito Santo, com muita sabedoria, ela permaneceu fiel ao seu voto e ao seu compromisso; até que as autoridades, vendo que não podiam vencê-la pela ignorância, mandaram, então, degolar a jovem cristã. Ela perdeu a cabeça, mas não o coração, que ficou para sempre em Cristo.
Santa Inês tem uma basílica que foi consagrada a ela no lugar onde foi enterrada.
Santa Inês, rogai por nós!