terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Delação de Cerveró deixou políticos de vários partidos apavorados

A divulgação recente de trechos do depoimento, em delação premiada, do ex-diretor da Petrobras e da BR Distribuidora Nestor Cerveró, no qual cita pagamentos de propina e distribuição de cargos das estatais a partidos e políticos, deixou a turma em Brasília apavorada. O presidente do Senado Federal, Renan Calheiros (PMDB/AL), negou que tenha participado das reuniões mencionadas por Cerveró e disse que já prestou as "informações requeridas", mas que está à disposição para "quaisquer novos esclarecimentos". O depoimento de Cerveró também cita o ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva.
Segundo o delator, Lula era-lhe grato por ter ajudado a quitar um empréstimo do PT de R$ 12 milhões e, por isso, o colocou no cargo de diretor financeiro da BR Distribuidora, em 2008. Cerveró teria intermediado para que o Grupo Shahin fechasse um contrato de R$ 1,6 bilhão com a Petrobras, na época em que era diretor da estatal. O empréstimo do PT havia sido contratado pelo pecuarista José Carlos Bumlai com o Banco Shahin. Por nota, o Instituto Lula disse que o ex-presidente já prestou todos os esclarecimentos à Polícia Federal referentes a esse assunto.
Ouvido na condição de informante – "já que não é investigado e sequer foi arrolado como testemunha na chamada Operação Lava Jato" – Lula afirmou que Cerveró foi nomeado diretor da Petrobrás e da BR Distribuidora por indicação de partido da base aliada, segundo a nota. O instituto negou, ainda, que Lula tenha tido qualquer relação pessoal com Cerveró, bem como qualquer sentimento de gratidão por ele.